Rosé wine: a new habit for a new planet. / Vinho rosé: um novo hábito para um novo planeta.

Yesterday in the capital of the state of São Paulo – Brasil, thermometers recorded an incredible 32ºC (90ºF) in August and we are still ahead 21 days of spring. 30 years ago I would be in 2 pajamas and still wrapped in 3 blankets.

But this is the reality of climate change on our planet and the important thing is to adapt. Whether through the reuse, recycling or the reassessment of our attitudes.

One of the good adaptations I saw in the Brazilian wine market is its approach to rosé wine. This is a worldwide trend, but Brazilians in general have an insane attachment to red wine and still believe rosé wine is mixture of bad white wine with bad red wine. Now, the most you can achieve with this process is a bad wine of various pink colors.

 

However, since this summer the Brazilian wineries have been exploring wines in different shades of rosé, produced with the most different techniques and grapes. The techniques are different and this is subject to another post. But here’s an invitation: how about trying a rosé wine this weekend? Well, except for the gaúchos (people from the South of Brasil) who will be the only ones to suffer with radical dropping temperatures this weekend even though they provide the most part of Brazilian delicious wines. Oops! Sorry guys. 😬

20180204_153549


 

Ontem  na capital de São Paulo, os termômetros registraram incríveis 32ºC em pleno agosto, ou seja ainda faltam 21 dias para a primavera. Há 30 anos eu estaria vestindo 2 pijamas e enrolada em 3 cobertores.

Porém esta é a realidade das mudanças climáticas em nosso planeta e o importante é se adaptar. Seja através do reuso, reciclagem ou da reavaliação de nossas atitudes.

Uma das boas adaptações que vi no mercado brasileiro, é sua aproximação ao vinho rosé. Esta é uma tendência mundial, mas o brasileiro em geral tem um apego insano pelo vinho tinto e ainda acredita que vinho rosé é feito de vinho branco ruim misturado com vinho tinto ruim. Ora, o máximo que se consegue assim seria um vinho ruim de cores variadas.

Porém, desde o verão as vinícolas brasileiras vêem explorando vinhos em tonalidades diferentes de rosado, produzidas com as mais diferentes técnicas. As técnicas são diferentes e isso é assunto para outro post. Porém aqui fica o convite: que tal provar um vinho rosé neste fim de semana?  Bom exceto pelos próprios gaúchos, justamente os que fornecem boa parte destes delicosos vinhos e que serão os únicos a sofrer com a entrada de uma forte frente fria. Ups! 😬 Desculpa aí…

20180204_153549

Notícia boa: setor vinícola encerra 2017 com alta de 5,6%. Só que não. / Good news: Brazilian wine sector closes 2017 growing 5.6%. But not really.​

Segundo informações divulgadas pela Ibravin, o setor vitivinícola brasileiro teve uma retomada iniciada no 3. trimestre e que ganhou fôlego nos últimos três meses do ano, terminando 2017 com dados positivos e apresentando crescimento de 5,6% nas vendas no mercado interno. Só que não.

Aos números, ainda segundo a Ibravin.

Dados de destaque:

– No mercado interno o setor vitivinícola ampliou as vendas em 5,6%.
– Na categoria de vinhos tranquilos, que ficou com alta de 2,1% no ano, a retomada da comercialização ocorreu no último trimestre. Entre outubro e dezembro as vendas cresceram 32% na comparação com o mesmo período do ano anterior.
– A participação de mercado dos rótulos nacionais de vinhos tranquilos ficou em 61,5%.

Desempenho comercial.jpg

Fonte: Assessoria de Imprensa Ibravin

A verdade é que diante de um crescimento estimado de 0,89% do PIB brasileiro, os números acima são interessantes. O que me incomoda é que colocaram os sucos junto com os vinhos.  

ldqv0

Os 2 produtos não são de maneira alguma intercambiáveis, então um crescimento na venda dos sucos de uva é ótimo para a saúde da população (segundo os médicos) e para os agricultores que plantam uva americana, mas não tem nada a ver com oportunidades no mercado do vinho.

Temos excelentes notícias em relação à ST já retirada dos estados da Bahia, Pernambuco, Goiás, Maranhão e Pará e além disso, os números acima são boas notícias, mas não precisamos dourar a pílula, misturando dados que devem ser analisados separadamente para que possamos realmente buscar alternativas para o crescimento.

0c87c27e31493a110f911fbefd29ff3b

According to information released by Ibravin, the Brazilian wine sector reignited in the third quarter. It gained momentum during the last 3 months of the year, ending 2017 with positive data and presenting a growth of 5.6% in sales in the domestic market. But not really.

To the numbers, still according to Ibravin.

Highlights:

– In the domestic market, the wine sector increased sales by 5.6%.
– In the category of still wines, which was up 2.1% in the year, the resumption of commercialization occurred in the last quarter. Between October and December, sales grew 32% compared to the same period last year.
– The market share of the national labels of still wines was 61.5%.

Desempenho comercial.jpg

Source: Ibravin Press Office

Given the estimated growth of 0.89% of Brazilian GDP, the above figures are interesting. What bothers me is that they put the juices along with the wines.

ldqv0

The 2 products are not interchangeable, so a growth in the sales of grape juice is great for the health of the population (according to doctors) and for farmers who grow indigenous grapes, but it has nothing to do with opportunities in the wine market.

We have excellent news on ST (tax surplus) withdrawn from the states of Bahia, Pernambuco, Goiás, Maranhão and Pará. All the above numbers are good news, but we need not to sugar coat the pill by mixing up data that should be analyzed separately so we can actually look for ways to grow the Brazilian wine market.

0c87c27e31493a110f911fbefd29ff3b