Vindima no Dão / Winemaking in Dão

Que rufem os tambores!
Chegou o post sobre o tão esperado roteiro de Vindimas no Dão. Um convite para conhecer a fundo um dos segredos mais bem guardados de Portugal: o Dão, uma DOP que produz alguns dos mais elegantes Touriga Nacional do país.

No nosso mais tradicional roteiro oferecemos gastronomia, história e convivência na aldeia com o conhecimento aprofundado da elaboração do vinho, desde a vindima até a adega, em produtores artesanais, de médio e grande porte. Uma verdadeira imersão no mundo do vinho.

DSC_0998.JPG

Partiremos do ponto de encontro no Porto com destino à frequesia da Ínsua no conselho de Penalva do Castelo. Penalva possui uma das maiores concentrações de monumentos históricos de Portugal: sítios pré-históricos, romanos e medievais.

Já a Casa da Ínsua, uma das 4 casas que delimitam a região do Dão, foi construída na segunda metade do século XVIII. A quinta possuía a única fábrica de gelo na região, uma geradora hidroeléctrica, adegas e lagares. Tudo isso preservado com cuidados dignos de museu. Uma riqueza histórica marcante.

Dedicaremos todo um dia ao icônico Douro, berço do vinho do Porto e patrimônio mundial da humanidade. Desfrutaremos de um almoço nesta magnifíca paisagem, sua história marcante e degustaremos o mais conhecido dos vinhos portugueses: o Porto.

DSC_0265.JPG

Também dedicaremos um dia à Serra da Estrela, local da nascente do Rio Dão. Leve seu casaco, pois chegaremos ao ponto mais alto de Portugal, as Penhas Douradas.

Não deixaremos para tras o conhecido queijo da Serra, por isso vamos à premiada Queijaria de Germil a fim de compreender detalhadamente o rígido processo de elaboração do queijo da Serra da Estrela com direito a degustação.

Visitaremos uma oficina artesanal de cestaria, uma arte milenar cuja fabricação, decoração e utilização varia de acordo com cada país, região, povo, costumes, e tradição. Segundo a teoria de alguns pesquisadores existem muitas fontes sobre a origem da cestaria.

  • Origem Indígena, na fabricação de cestos para transportar objetos ou para armazenagens de alimentos.
  • Origem nômade, na procura de soluções do armazenamento e transporte de alimentos e na antiguidade.
  • Origem Persa, alguns escudos utilizados no batalhão dos imortais foram feitos de cestaria.
  • Origem Ibérica, outros dizem que a Vila de Gonçalo, localizada be perto de onde estaremos, foi o berço da cestaria em Portugal e Espanha.

cestaria

E por último, mas não menos importante teremos oportunidade de participar de 2 dias de vindima. É diversão da colheita ao lagar e à pisa, mas não se preocupe, se você se cansar é só parar para comer alguma coisa e tomar um copinho de água. Ou vinho. Uma experiência comunitária emocionante e que proporciona aos enófilos uma aprendizagem incrível.

Teremos 6 degustações exclusivas em produtores com perfis totalmente diferentes, proporcionando uma visão completa da região do Dão.

Fecharemos nossa viagem em Viseu que foi várias vezes residência dos condes D. Teresa e D. Henrique, pais de D. Afonso Henriques que teria nascido ali a 5 de agosto de 1109. Só para lembrar, D. Afonso Henriques é considerado ninguém menos que o pai de Portugal por ter unificado todas as regiões do agora país e mandado para casa os mouros que estavam por lá já há alguns séculos.

Voltando a Viseu, esta data da época dos celtiberos, prova disso é que encontraram num altar pagão datado do séc. I, as seguintes inscrições: “Às deusas e deuses vissaieigenses. Albino, filho de Quéreas, cumpriu o voto de bom grado e merecidamente.” Com a Romanização, a cidade ganhou grande importância, devido ao entroncamento de estradas romanas, por isso Viseu está associada à figura de Viriato, já que se pensa que este herói lusitano tenha talvez nascido nesta região.

DSC_0179

E outra lenda bacana que inclusive está representada no brasão da cidade. O rei Ramiro II de Leão, em viagem para outras terras, conheceu Sara, a irmã de Alboazar, rei do castelo de Gaia, e se apaixonou a tal ponto que raptou Sara. Ao saber do sucedido, o irmão de Sara vingou-se raptando a esposa do rei, D. Urraca. Ferido no orgulho, D. Ramiro teria escolhido em Viseu alguns dos seus melhores guerreiros para o acompanharem, penetrando sorrateiramente no castelo, e deixando os guerreiros nas proximidades. Enquanto Alboazar caçava, D. Ramiro conseguiu entrar no castelo e encontrar D. Urraca que, sabendo da traição do marido, recusou-se a acompanhá-lo. Quando Alboazar regressou da caça, D. Urraca decide vingar-se do marido mostrando-o ao raptor. Ramiro, aprisionado e condenado à execução, pede para, como último desejo, morrer ao som da sua buzina, que era o sinal que tinha combinado com os soldados para entrarem no castelo. Ao final do sexto toque, os soldados cercam imediatamente o castelo, incendiando-o. Alboazar morreria nas mãos dos soldados do rei Ramiro. Parabéns a D. Urraca e pena que D. Ramiro se saiu com a sua, mas assim é a história.

Viseu tem muita história, é uma cidade muito bonita (premiada várias vezes como a melhor cidade da Europa para se viver) e tem lojas, shoppings etc, para você poder levar além das lembranças, muita coisa bonita para casa.

Não perca tempo, como a hospedagem é em casa de proprietário rural (e que casa), as vagas são limitadas!

IMG-20170922-WA0032


Drums rolling!

The long-awaited post is finally here: Winemaking in Dão Tour. An invitation to know one of the best-kept secrets in Portugal: Dão, a DOP that produces some of the most elegant Touriga Nacional in the country.

In our most traditional itinerary, we offer gastronomy, history and living in a Portuguese village with in-depth knowledge of winemaking, from harvest to the winery, in small and medium-sized artisan producers. A true immersion in the world of wine.
DSC_0998
We will leave the meeting point in Porto to freguesía of Ínsua in Penalva do Castelo council. Penalva has one of the largest concentrations of historical monuments in Portugal: prehistoric, Roman and medieval sites.
Casa da Ínsua, 1 of the 4 houses that surround Dão, was built in the 2nd half of the 18th century. The “quinta” had the only ice factory in the region, a hydroelectric generator, wineries and mills preserved with museum-worthy care. An extraordinary historical richness.
We will dedicate a whole day to the iconic Douro, the cradle of Port wine and world heritage of humanity, enjoying lunch in this magnificent landscape, its remarkable history and tasting the best-known Portuguese wines: Porto.
DSC_0265
Likewise, we will dedicate one day to the Serra da Estrela, the source of the Rio Dão. Take your coat, because we will visit the highest point of Portugal, the Penhas Douradas.
We will not leave forget the well-known cheese from Serra, so we go to the award-winning cheese producer in Germil to understand the rigid handling of elaboration of the Serra da Estrela cheese. Tasting included.
We will visit a handmade basketwork workshop, an ancient art which manufacture, decoration and use vary according to each country, region, people, customs and tradition. As per researchers, the millenary art of basketry could have several origins:
  • Indigenous origin, manufacture of baskets for carrying objects or for storing food.
  • Nomad origin, in search of food storage and transport solutions.
  • Persian origin, the shields used in the battle of the immortals were made of basketry.
  • Iberian origin, others say the village of Gonçalo, near where we will be, was the cradle of basketry in Portugal and Spain.

cestaria

And last but not least we will participate in 2 days of harvest. It’s fun to harvest and drink, but do not worry, if you get bored or tired, just stop and have something to eat, drink a glass of water. Or maybe wine. An exciting community experience that gives oenophiles incredible learning.
We will have 6 exclusive tastings in producers with different profiles, providing a complete view of Dão.
We will finish our trip in Viseu that was a residence by counts D. Teresa and D. Henrique, parents of D. Afonso Henriques who was born there August 5th, 1109. Just as a reminder, D. Afonso Henriques is none other than the father of Portugal for having unified all regions of the now country and sending home the Moors who were there for several centuries.
Back to Viseu, that dates from the time of the Celtiberians, proof of this is they found on a pagan altar dated from the first century the following inscriptions: “To the Goddesses and the Gods Vissaieigenses. Albino, son of Quensas, fulfilled the vote willingly and deservedly”. With the Romanization, the city gained great importance, due to the intersection of Roman roads, so Viseu is linked with the figure of Viriato since the Lusitanian hero may have been born in this region.
DSC_0179
Another nice legend is represented in the coat of arms of the city: King Ramiro II of Leon, on a journey abroad, met Sara, the sister of Alboazar, king of the castle of Gaia, and fell so much in love he kidnapped Sara. On learning what had happened, Sara’s brother took avenge by kidnapping the king’s wife, D. Urraca. Wounded in pride, D. Ramiro chose in Viseu his best warriors, sneaked alone into the castle, and left his warriors nearby. While Alboazar was hunting, D. Ramiro found D. Urraca, who, knowing of her husband’s betrayal, refused to go with him. When Alboazar returned from hunting, D. Urraca took revenge on her husband by showing him the abductor. Ramiro, imprisoned and sentenced to execution, asks as his last wish to die at the sound of his horn, which was the signal for his soldiers to invade the castle. At the end of the sixth ring, the soldiers at once surround the castle, setting it on fire. Alboazar died at the hands of King Ramiro’s soldiers. Cuddles to D. Urraca and sorry that D. Ramiro could escape, but such is history.
Viseu historic heritage is vast, a delightful city (awarded several times as the best city to live in Europe) and it has shops, malls etc, so you can take not only memories but still something lovely home.
Lose no time, because accommodations are in a village house (and what a house, wow), spots are limited!
IMG-20170922-WA0032

Dia 7 – Viseu, por último mas o melhor.

Nosso último dia juntos começa cedo no Solar do Dão, localizado em Viseu. É neste antigo solar onde se localiza a Comissão Vitivinícola do Dão. Lá a turma teve a oportunidade de aprofundar seus conhecimentos técnicos sobre a região, degustar a variedade de vinhos produzidos por lá e ainda comprar algumas garrafas.

14718833_1385649288131732_4301148373875461018_n

Em seguida visitamos a estátua de Viriato, famoso personagem da história local e fomos para o centro de Viseu, conhecida como a cidade jardim pela sua beleza e considerada como uma das cidades de melhor qualidade de vida de toda a Europa.

img_0551

O almoço foi na Taberna da Milinha para conhecer uma tasca portuguesa. A bisavó do boteco.

img-20161006-wa0009

O chef preparou comidinhas mil que acompanharam o vinho da casa de maneira perfeita.

20161006_12330620161006_123313

 

 

 

 

E claro que não podiam faltar os enchidos e queijos locais.

20161006_123401

A tarde foi dedicada às compras. O grupo se soltou no Palacio do Gelo, aproveitando as ofertas e comprando os últimos presentes.

À noite tivemos a oportunidade de visitar a Adega de Penalva do Castelo que estava em plena atividade, recebendo uvas de seus mais de 1.000 associados.

img_0565img_0582img_0574

Ver tanto vinho abriu o apetite e fomos direto para o famoso leitão assado no forno à lenha, devidamente acompanhado pelos excelentes espumantes da Adega. Aliás se quiser importar os vinhos da Adega, temos o orgulho de representá-los aqui. (1 minuto pro comercial, né gente).

img_0599

Após o jantar, nossos convidados foram agraciados com um certificado de participação nas vindimas pelo Presidente da Câmara (equivale ao nosso prefeito). Afinal, tanto trabalho duro!

dsc_0206-2

E depois da cerimônia o rancho folclórico de Penalva do Castelo arrasou nas músicas tradicionais. Juntando a animação portuguesa com a brasileira foi um verdadeiro festerê com muita dança e risadas. Lembre, estas pessoas trabalharam o dia todo e vieram até aqui para defender e mostrar sua cultura. Aliás, a Dna. Luísa (do lencinho amarelinho) estava de aniversário!!! E deixou de estar com a família para estar conosco. Na aldeia é assim.

img_0612

Para fechar a noite e nossa aventura na aldeia, um brinde reunindo toda a gente que se juntou para festejar e celebrar mais um dia na aldeia.

dsc_0185-2

Gostou? Então vem com a gente!

Dia 6 – O Douro também pode ser rural.

Se você conhece só um pouco de Portugal, certamente já escutou sobre o Douro. Nosso grupo pediu para visitá-lo pois não o conheciam e um enófilo ir a Portugal e não conhecer o Douro, bem… é como ir… Você já sabe.

A Quinta do Marrocos era o nosso destino e a vista com a qual nos receberam é digna deste patrimônio tombado pela Unesco. Muitas vinícolas desta região abrigam hotéis sofisticados e restaurantes refinados. A Quinta, no entanto, é exatamente o tipo de experiência que gostamos. Uma refeição à moda antiga, ambientada numa cozinha do século XIX foi tudo de bom.

20161005_121140     20161005_121235

 

 

 

 

Sopinha de espinafre servida exatamente como antigamente como entrada e uma bela feijoada portuguesa no prato principal.

20161005_12205220161005_123648

 

 

 

 

 

A visita incluiu o centenário vinhedo.

20161005_134336

E a adega, a degustação de 3 maravilhosos vinhos do Porto além do branco e do tinto da casa. Tudo fruto do trabalho da fantástica Ana Cristina, a gentileza em pessoa.

20161005_133138

Passamos por todo o Douro e na volta paramos em Penédono e Trancoso para conhecer aldeias históricas.

img-20161005-wa0010

Mas era hora de voltar para casa porque alguém muito importante esperava por nós.

img_0550

Nossa safra Há Pão de 2016 precisava ser pisada. E a turma era só animação.

20161005_195944

Aqui está a prova.

20161005_201427

Depois de tanto gasto de energia, a galera precisou de um bacalhau a lagareiro.

20161005_202944

E para fechar a noite, filhoses com mel da Dna. Lourdes.

20161005_210319

Tá bom ou quer mais?

Dia 4 – O tão esperado dia da vindima.

A ansiedade do grupo era palpável durante toda a manhã. O grupo estava ansioso por sua primeira vindima e como ela seria. Um sentimento de “friozinho na barriga” comum a quando fazemos algo pela primeira vez. É intrigante como uma tarefa tão simples possa deixar as pessoas com toda esta expectativa.

20161002_14421420161002_151650

Chegando lá, o pessoal não ficou tímido, não. Luvas e tesouras tinindo de novas, se jogaram nas videiras. Alguns estreavam em meio às parreiras.

20161002_144422

Outros já eram veteranos.

20161002_151939

É claro que de vez em quando a gente precisa de uma pausa para um gole de vinho e trocar uma idéia com a galera!

_dsc0160

Ou para fazer uma pose no vinhedo!

_dsc0161

E até mesmo aprender a dirigir trator, o que seria, de fato, muito útil na Marginal Pinheiros.

20161002_155213

Outros ficam dizendo toda hora que “vão ao poço”. Você pode pensar, como eu, que a pessoa realmente quer se hidratar numa tarde de calor no outono. Até que você nota que tem umas 10 pessoas no poço e ninguém sai de lá.  Porque? Por que guardaram o vinho no poço para ele ficar fresquinho… O pessoal aprende rápido.

20161002_162947

Terminada a vindima, aqueles que deram duro para colher as uvas vão aproveitar a deliciosa merenda preparada pelos proprietários das terras, o Sr. Frutuoso e a Sra. Lourdes.

20161002_17092220161002_175935

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Trabalhar juntos e depois desfrutar de uma refeição com quem é dono da terra e possui muita história para compartilhar é incomparável. Por isso, a sua vindima pode ser como muitas outras e você será mais um grupo de turismo a ter uma experiência parcial.

20161002_160101

Ou então você vem com a gente e tem a chance de viver intensamente a experiência completa, ser um autêntico viajante.

20161002_155543

Que venha a vindima 2017!

Dia 3 – Penalva do Castelo e seus tesouros.

Quando pensamos numa aldeia, acho que a imagem mais comum é de um lugar pacato, parado, onde os dias passam lentos e a vida não tem novidades. Pois bem, aqui não é bem assim, Penalva do Castelo tem um monte de história, ou até de pré-história e com a pessoa certa, nossa amiga Sandra Marinho da Câmara da Freguesia, a gente passou uma manhã conhecendo um pouco destes tesouros históricos.

_dsc0067

Pausa para o almoço: arroz de polvo e vinho: Há Pão?

20161001_132415

 

Bom, chega de comer e vamos cozinhar com nossa mulher maravilha, a Lurdes. Sabe tudo e mostrou pra galera como se faz pão português do melhor. Há Pão e do melhor. Aqui a gente não para.

img-20161001-wa0015

Depois do jantar, fomos à exuberante Viagem Medieval em Canas de Senhorim.

img-20161002-wa0012

Dia 2 – Ao pé da Serra da Estrela para conhecer ……. vinho.

Nosso primeiro dia juntos começou com degustação. É claro. Direto para a Lusovini, a produtora de vinhos como o Flor de Nelas e o Pedra Cancela, excelentes exemplares em seu segmento. Esta antiga cooperativa foi comprada e remodelada por feras no assunto que a fizeram uma potência em termos de marcas, vendas e agora, um lugar super agradável para visitar.

IMG_0332.JPG

img_033420160930_112204

 

Recebidos como se recebem amigos, com um delicioso espumante, logo fizemos um visita detalhada por toda equipe da Lusovini e olha, vinho excelente que você encontra no Brasil, é que não faltou.

Seguimos para rever os amigos da Adega do Carvalhão Torto. Uma proposta totalmente diferente. Uma Adega familiar, administrada por uma família linda, envolvida com o assunto há décadas e que nos recebeu com um carinho tão grande que encantou o grupo todo. Estes vinhos ainda não têm a exposição que merecem no Brasil, mas tudo muda, não é mesmo?

IMG_0385.JPG

Sr. Oliveira, Luiz e sua irmã nos honraram com esta foto de grupo.

Depois de tanto vinho, só mesmo respirando um pouco de ar fresco no topo da Serra da Estrela! Ufa…

_dsc0061

Dia 1 – A emoção da chegada.

Nosso grupo de visita eno-gastronômico e histórico-cultural chegou. Um nome grande para coisas simples como devorar a tradicional comida portuguesa, beber seu delicioso vinho e conhecer tesouros antigos e escondidos que só mesmo os locais conhecem e compartilham com o carinho do povo da aldeia.

Para isso, recebemos nossos convidados com um delicioso almoço na Casa Aleixo no Porto e fomos direto ao Hotel Palácio do Bussaco para conhecer um pouco da história, ver de perto um dos mais belos monumentos deste país e brindar com um tradicional espumante da região a chegada de novos amigos.

img_0318

20160929_154751

 

 

 

 

 

 

 

 

Depois, já em casa, foi hora de relaxar e conhecer o que atraiu todos até aqui: a adega do Há Pão.

_dsc0051

Final perfeito para um dia corrido, mas muito legal.

Há Pão – O Nascimento do Primeiro Vinho Engarrafado dos Cardoso

Vinho é cultura, é raiz, é origem, é família. E para entender o que realmente é o vinho, nós fomos a Portugal fazer vinho do Dão com a família Cardoso, em Urgueirinho.

Chegamos bem perto da data da colheita. É uma época de muita ansiedade, pois cada enólogo e vitivinicultor está atento ao tempo: a quantidade de chuva, sol e calor determinam a proporção de água e açúcar na uva, características super importantes para o fundamental processo de fermentação do vinho. Qualquer nuvem no céu provoca uma corrida ao computador mais próximo para uma consulta à previsão do tempo. Pois é, nem tudo é sempre tão rural…

Vamos que vamos!

Vamos que vamos!

Definida a data exata da colheita, toca conferir com os vizinhos quem está disponível para ajudar, pois a colheita é trabalho, celebração, festa e portanto uma atividade que envolve a comunidade. O dia começa cedo. Colhemos cacho a cacho debaixo de sol, depositando-os nos balseiros ao longo das vinhas e depois levando os mesmos até o trator. O dia todo. A rotina só é quebrada nas paradas para o lanche e pela música cantada pelo pessoal da aldeia.

Preparar. Apontar. Fogo!

Preparar. Apontar. Fogo!

Olha aí a criança feliz!

Olha aí a criança feliz!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No fim da tarde, as costas e pernas reclamam da atividade física exaustiva, porém a satisfação de ver dezenas de balseiros cheios de uvas maduras se dirigirem à adega é enorme. Mas o trabalho está apenas começando e o primeiro passo na chegada é o desengaçe para depositar a fruta no lagar. Seguida da primeira pisada. Não tive a experiência mítica dos tambores marcando ritmo, nem do abraço comunitário, muito menos das 8 horas ininterruptas do trabalho. É um lagar pequeno. Autêntico vinho de garagem. Agora, o trabalho é duro e quando terminou o dia, juro, eu estava zonza de cansaço.

Balseiros cheios no trator. Hora de procurar um lagar.

Balseiros cheios no trator. Hora de procurar um lagar.

A primeira pisa a gente nunca esquece.

A primeira pisa a gente nunca esquece.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No dia seguinte, adivinha o primeiro pensamento quando abri os olhos: como está o vinho? Verdade. Logo corri para o lagar e vi que estava lá. Quietinho, misterioso. As uvas esmagadas guardando sua química, ocultando seu segredo. No fim da tarde, mais uma pisada. Quanto tempo? Bom, isso é uma decisão desse pessoal que cresceu fazendo vinho… Eu só pisava. Feliz da vida, pisava e pisava.

Caprichando na extração!

Caprichando na extração!

Pisa e pisa.

Pisa e pisa.

 

 

 

 

 

E assim fizemos por 7 dias. Na verdade 7 noites. À tardinha era hora de pôr o uniforme (sim, vinho mancha) e pisar por meia horinha, mais ou menos. Pela manhã sempre a mesma expectativa: qual a mágica aconteceu durante a noite? Tem aroma distinto? A aparência mudou? E sim, a cada dia as cascas afinam e sobem, o líquido vai se separando por baixo e engrossando, a temperatura sobe com a atividade frenética das leveduras e os aromas se intensificam. Era a magia do vinho acontecendo bem na minha frente. E incrível, tudo isso você pode literalmente sentir na pele, na pisa cuidadosa e paciente. Por isso os portugueses são ferrenhos defensores deste método artesanal e caro.

Marcas na pele.

Marcas na pele. Olha aas manchas dos pezinhos no pano lá do fundo.

DSC_0009

Chapéu formado. O que você está escondendo aí?

 

 

 

 

 

 

Finalmente, chega o dia! Hora de interromper a maceração. Tudo muito artesanal. Pegamos um tubo, encaixamos no local próprio, no fundo do lagar e dá-lhe uma bomba para levar o precioso líquido para o inox. Um processo que exige paciência. Aliás como tudo o mais no vinho.

Chega de maceração. Bora pro tanque.

Chega de maceração. Bora pro tanque.

Quando a extração do líquido terminou, estava na hora do trabalho realmente duro: a extração do vinho de prensa. Toca a juntar tudo o que sobrou no lagar e colocar na … prensa.

Vem, meu precioso mosto, vem.

Vem, meu precioso mosto, vem.

E depois, é hora do aperto. Foooorça.

E depois, é hora do aperto. Foooorça.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O vinho de prensa, dá origem a um vinho mais simples, extraído “na marra”. É vinificado separadamente daquele que ficou na cuba de inox.

Aliás, foi lá a ultima vez que o vi. Fui embora e ele lá ficou esperando seus taninos arredondarem e seus aromas e sabores se intensificarem.

DSC01039

Tem alguém aí? Tá tudo bem? Fala comigo….

Até que um dia recebi notícias dele. Direto lá da terrinha. Tá lindo, né? Gostaram do rótulo? A gente que fez com o apoio do super Take do Studio Mugen: takashi20@gmail.com!

13814_1008465582516773_1138213989448786849_n

Há Pão – Tá bonito! Posando no seu próprio terroir.

Agora não vejo a hora de revê-lo pessoalmente. E você? Quer ver e VIver? Então vem com a gente na Experiência Vindimar!

Vem viver!

Vem viver!