Arquivo da tag: mercado de vinhos no Brasil

Notícia boa: setor vinícola encerra 2017 com alta de 5,6%. Só que não. / Good news: Brazilian wine sector closes 2017 growing 5.6%. But not really.​

Segundo informações divulgadas pela Ibravin, o setor vitivinícola brasileiro teve uma retomada iniciada no 3. trimestre e que ganhou fôlego nos últimos três meses do ano, terminando 2017 com dados positivos e apresentando crescimento de 5,6% nas vendas no mercado interno. Só que não.

Aos números, ainda segundo a Ibravin.

Dados de destaque:

– No mercado interno o setor vitivinícola ampliou as vendas em 5,6%.
– Na categoria de vinhos tranquilos, que ficou com alta de 2,1% no ano, a retomada da comercialização ocorreu no último trimestre. Entre outubro e dezembro as vendas cresceram 32% na comparação com o mesmo período do ano anterior.
– A participação de mercado dos rótulos nacionais de vinhos tranquilos ficou em 61,5%.

Desempenho comercial.jpg

Fonte: Assessoria de Imprensa Ibravin

A verdade é que diante de um crescimento estimado de 0,89% do PIB brasileiro, os números acima são interessantes. O que me incomoda é que colocaram os sucos junto com os vinhos.  

ldqv0

Os 2 produtos não são de maneira alguma intercambiáveis, então um crescimento na venda dos sucos de uva é ótimo para a saúde da população (segundo os médicos) e para os agricultores que plantam uva americana, mas não tem nada a ver com oportunidades no mercado do vinho.

Temos excelentes notícias em relação à ST já retirada dos estados da Bahia, Pernambuco, Goiás, Maranhão e Pará e além disso, os números acima são boas notícias, mas não precisamos dourar a pílula, misturando dados que devem ser analisados separadamente para que possamos realmente buscar alternativas para o crescimento.

0c87c27e31493a110f911fbefd29ff3b

According to information released by Ibravin, the Brazilian wine sector reignited in the third quarter. It gained momentum during the last 3 months of the year, ending 2017 with positive data and presenting a growth of 5.6% in sales in the domestic market. But not really.

To the numbers, still according to Ibravin.

Highlights:

– In the domestic market, the wine sector increased sales by 5.6%.
– In the category of still wines, which was up 2.1% in the year, the resumption of commercialization occurred in the last quarter. Between October and December, sales grew 32% compared to the same period last year.
– The market share of the national labels of still wines was 61.5%.

Desempenho comercial.jpg

Source: Ibravin Press Office

Given the estimated growth of 0.89% of Brazilian GDP, the above figures are interesting. What bothers me is that they put the juices along with the wines.

ldqv0

The 2 products are not interchangeable, so a growth in the sales of grape juice is great for the health of the population (according to doctors) and for farmers who grow indigenous grapes, but it has nothing to do with opportunities in the wine market.

We have excellent news on ST (tax surplus) withdrawn from the states of Bahia, Pernambuco, Goiás, Maranhão and Pará. All the above numbers are good news, but we need not to sugar coat the pill by mixing up data that should be analyzed separately so we can actually look for ways to grow the Brazilian wine market.

0c87c27e31493a110f911fbefd29ff3b

Será que é mania de grandeza?

Pior que míldio ou oídio. Mais fatal que a filoxera. Parece que o setor de vinhos no Brasil padece de uma enfermidade quase fatal. A mania de grandeza.

Um pouco de ambição sempre é bom, mas....
Um pouco de ambição sempre é bom, mas….

Liderei durante anos os departamentos de marketing de uma empresa alimentícia internacional em 3 países diferentes. Uma empresa presente em centenas de países que gasta milhões em marketing em dezenas de categorias tão diferentes quanto leite, água ou sorvete. Obviamente companhias deste porte têm a seu dispor pesquisas para detectar toda e qualquer preferência do consumidor e utilizam os resultados para agradá-lo e obviamente alavancar suas vendas.

Um dos mantras mais sonoros desta empresa sempre foi a degustação. Esta mesma que você está pensando. Você chega no supermercado e lá está uma garota bonita e simpática pronta a lhe oferecer uma provinha e explicar algo sobre o fantástico produto em questão.  Tudo muito simples. E efetivo.

Provou, gostou, levou.
Provou, gostou, levou.

Agora já posso até escutar a turma do chiado que começou a reclamar que degustação não é tão simples assim: tem que recrutar um(a) demonstrador(a), treiná-lo/la, negociar espaços, preços e períodos com os supermercados ou restaurantes e tudo isto custa tempo e dinheiro. Pois deixe-me só esclarecer um ponto: qualquer atividade que se faça, seja em televisão, revista, rádio, etc que seja exitosa passará exatamente pelos mesmos passos de execução: o alinhamento com o ponto de venda. E uma coisa eu posso garantir, recrutar e treinar um(a) demonstrador(a) será sempre muito mais barato que produzir peças de mídia de qualquer natureza, seja áudio ou vídeo, mesmo o mais básico dos spots a serem exibidos on-line (o retorno destes então, é outro post…).

shop-online-430x286Porém há 1 diferença fundamental: o resultado das atividades de mídia são dificílimos de conferir ao passo que no ponto de venda o reflexo é imediato, mensurável e quantificável. 

 

Apesar de todas estas evidências, o setor de vinhos parece acometido de  alguma síndrome que o faz pensar que para popularizar o vinho no Brasil, fazer crescer este segmento tão promissor precisamos de eventos em grandes pavilhões com vários corredores, produtores na casa das dezenas ou até mesmo centenas. Resulta que este tipo de evento termina em consumidores cambaleantes e que com certeza no próximo dia só vão lembrar de tomar um comprimido para a dor de cabeça.

Foi cansaço, foi?
Foi cansaço, foi?

1024px-Visiteurs_Vinexpo_Bordeaux_2007 Estes eventos enormes servem normalmente para movimentar setores da economia. Seria ótimo se a Expovinis, por exemplo, fosse uma feira de negócio como a Abras. Só que não é. Quem já foi sabe disto, mas este também é assunto para outro post. Aí se perde foco, propósito e qualquer empresa séria que coloque objetivos de retorno no investimento neste tipo de evento vai se decepcionar quando olhar o resultado. E digo isso com base em vários importadores e exportadores com os quais conversei desde que comecei a trabalhar no segmento.

Back to the basics como dizem os americanos. Ou seja, começando do começo. O trabalho suado de formiguinha, levando um profissional de vinho ao ponto de dose, normalmente restaurantes, já que a representatividade de bares para a venda de vinhos e baixíssima, ou à loja é a oportunidade da vinícola ou importadora submeter seu produto à prova o mais perto possível do momento da compra ou consumo. Não existe relação mais íntima que esta. Só se você for até a casa do consumidor!

Desculpa, a senhora é da parte de quem mesmo?
Desculpa, a senhora é da parte de quem mesmo?

Imagem1E eu não estou inventando a roda. Estas atividades são super comuns em países da Europa. É claro que a turma do chiado já se levantou de novo reclamando do custo do vinho do Brasil. Pois bem, tudo no Brasil tem custo mais elevado que no resto do mundo e esta crença e aposta no vinho caro, produto de elite que não pode ser degustado em lugar menos nobre como fora da mesa cerimonial do restaurante ou no balcãozinho de supermercado é que vem atrasando o crescimento de um setor que já deveria estar crescendo 2 dígitos ao ano no Brasil há pelo menos 10 anos.

 

Prova disto são os jantares harmonizados a preços estratosféricos que na verdade podem ser muito lúdicos, mas não preenchem nenhum quesito para classificação como degustação. Isso sem falar nos trade shows, feiras, encontros, etc que cobram tanto do expositor quanto do visitante, reúnem sempre a mesma comunidade e pouco conseguem fazer para furar a bolha da mesmice e levar o vinho até uma base maior de consumidores.

3 pratinhos, 3 tacinhas, 300 reaizinhos...
3 pratinhos, 3 tacinhas, 300 reaizinhos…

Então fica a dica para promover o seu produto de acordo ao livro sagrado de qualquer bom marqueteiro:

  • leve seu sommelier para restaurantes que venda seu produto (não, você não vai roubar venda dele, você vai trazer clientes nos dias que o movimento estiver baixo);
  • ofereça doses de degustação e explique detalhes picantes sobre o vinho somente se o cliente estiver a fim, se não, deixa ele curtir. NÃO COMPLICA QUE ESPANTA;
  • Screen-Shot-2012-12-03-at-9_27_27-AMse estiver no restaurante, ofereça garrafas para serem consumidas no local ou levadas para casa a preços PROMOCIONAIS. Todo mundo ganha;
  • se estiver na loja, além do preço promocional, OFEREÇA OUTRO RÓTULO DA SUA LINHA a preço especial mesmo que não esteja na degustação. Você amplia suas chances;
  • comunique intensivamente a atividade, use as redes sociais, assim VOCÊ EXPANDE SUA BASE DE CLIENTES, TRAZ MAIS PESSOAS E PRINCIPALMENTE PESSOAS DIFERENTES para a sua marca e tem mais chances de fidelizá-las.

purchase-wine-onlineyoung girl chooses wine in a supermarketTrabalhando com consistência e alinhamento com seus parceiros junto ao seu público consumidor final, o resultado virá, e neste caso vale mais o velho ditado que em qualquer outro: pequenos riachos, formam grandes rios. De bom vinho. Saúde!