Arquivo da tag: degustação

Por que vinho tem aroma de abacaxi, canela ou madeira? Alguém colocou tudo isto lá? Descubra aqui o segredo para esta pergunta que não quer calar.

Existem bem mais de 100 compostos aromáticos individuais no vinho que interagem uns com os outros para criar milhares de aromas potenciais. Ainda assim, apesar do que você possa ter ouvido, não importa se você é um super provador ou aquele tipo de cara que gira a taça e cheira em desespero sem sentir absolutamente nada, quase todo mundo pode melhorar o seu olfato, aprendendo a identificar diferentes aromas no vinho. Isso soa complicado, mas se resume simplesmente a praticar e prestar muita atenção – e é claro que anotar umas dicas do Master Sommelier Matt Stamp, não vai fazer mal para ninguém.

Roda-dos-Aromas-do-Vinho.jpg
Aroma pra caramba!

Se você já detectou aromas distintos no vinho, provavelmente você está a caminho de aprender a identificar diferentes classes de aromas. Por exemplo, você pode ter encontrado uma nota de pimentão verde, grama recém cortada ou até mesmo cheiro de gasolina. Por mais complexa que seja a ciência dos aromas, existem algumas classes  de compostos muito conhecidos, referidos como compostos de impacto, que são prevalentes em certos vinhos. Estes compostos de impacto são como indicadores muito relevantes, apontando para um varietal e não outro, o que significa que aprender a identificá-los pode desbloquear habilidades sobrenaturais de degustação tipo o Masters da vida. Da próxima vez que você provar um vinho, tente identificar o seguinte:

1.Pirazinas (metoxipirazina)
Aromas de pimentão, grama cortada fresca, pimentão verde, aspargos, ervilha e terra.
Vinhos: Cabernet Sauvignon, Merlot, Malbec, Carménère, Sauvignon Blanc e Cabernet Franc.
As pirazinas são mais associadas com variedades de Bordeaux. Em vinhos tintos, é muitas vezes um toque mais difícil de sentir e às vezes pode ser associada com aroma de chocolate amargo. A maioria dos enófilos adoram estes aromas nos seus brancos, mas o tomam com reserva nos tintos. Curiosamente, à medida que os vinhos tintos envelhecem, a pirazina modifica-se, revelando cereja e chocolate.
Existem 3 metoxipirazinas primárias que contribuem com aromas “vegetais”:
. 2-metoxi-3-isobutil-pirazina (IBMP) = aromas de pimentão, terra, grama e herbáceos;
. 2-metoxi-3-isopropilpirazina (IPMP) = aromas de aspargos, ervilhas e terra;
. 2-metoxi-3-alquilpirazina = aromas de noz e defumados.

c3732f84674951540c46c633027e9ec5

2. Monoterpeno
Aromas de rosas, flores, frutas doces, mexerica, coentro e especiarias doces.
Vinhos: Gewürztraminer, Viognier, Riesling, Albariño, Muscat Blanc e Torrontés.
Os monoterpenos mais pronunciados incluem os compostos de Linalol, Geraniol e Nerol. Estes são os mesmos compostos aromáticos utilizados para criar perfumes, sabonetes e xampus com aromas doces por isso não é nenhuma surpresa que algumas pessoas possam descrever estes vinhos como tendo um cheiro de sabonete. O que é interessante sobre estes aromas é que ao contrário dos outros compostos, você pode senti-los nas frutas, ou seja, eles independem da vinificação.

c572ab20a56dced80936dcba8f0ea1d4

3. Sotolona
Aromas de curry, xarope de bordo (o famoso maple syrup), feno-grego, nozes e melaço.
Vinhos: oxidados como Madeira, Vin Jaune, Jerez, Sauternes e alguns tintos ou Chardonnays bem antigos.
Este é o principal composto de sabor encontrado no feno-grego. No vinho, provém da oxidação e é mais prevalente em vinhos fortificados como o Jerez e o Madeira. Você também pode prová-lo se você envelhecer um vinho branco por cerca de 7 a 10 anos, este aroma é intrigante e fundamental para identificar vinhos antigos.

 

Maple Syrup: aproveite para provar fora do Brasil. Taí um aroma difícil para nós. Feno-grego é mais fácil de encontrar. Vire um rato de feiras, supermercados e floriculturas.

4. Rotundona
Aromas de pimenta preta, manjerona, couro, cacau em pó e ervas.
Vinhos: Syrah ou Shiraz, Grenache, Zinfandel, Petite Sirah, Grüner Veltliner e Mourvèdre.
Este composto é o ingrediente chave nas pimentas preta e branca e é cerca de 10.000 vezes menos prevalente no vinho. Ainda assim, a sensibilidade humana a este composto é muito elevada, por isso desempenha um papel importante nos perfis de sabor dos vinhos que o contêm.

77ee1d8e607d624c4c92b7f584d871f2

5. Compostos de Enxofre
Podem ser o segredo da super discutida origem da mineralidade no vinho.
Vinhos: Chablis e Champagne
Alguns compostos de enxofre têm notas fantásticas, como o aroma de giz num excelente Chablis. Outros são bem ruins, como cheiro de lã molhada,  considerado uma falha no vinho causada pela exposição à luz solar.

chalk.gif

6. TDN (1,1,6, -trimetil-1,2-di-hidronaftaleno)
Aromas de querosene, petróleo e diesel.
Vinhos: possivelmente em Sauvignon Blanc e Chardonnay, mas é mais perceptível (e amado) no Riesling.
Este aroma é um dos poucos compostos que quase inexistem em uvas ao natural e se desenvolvem nos vinhos à medida que envelhecem. Os vinhos com notas mais pronunciadas de gasolina vêm de vinhedos mais quentes porque este composto se desenvolve com uvas expostas à forte luz solar.

5f07e92f3525a17e50f119379bad6093

7. Diacetil
Aromas de manteiga e creme de leite.
Vinhos que sofreram fermentação maloláctica.
Este composto é muito mais pronunciado em vinhos brancos, mas acrescenta um aspecto muitas vezes descrito como cremoso ou aveludado ao vinho tinto. O diacetil se origina no processo de pós-fermentação chamada fermentação maloláctica que envolve bactérias que consomem o ácido málico e o transformam em ácido láctico. O resultado é um vinho incrível com aroma e textura cremosos e amanteigados . Pouquíssimos vinhos brancos passam por este processo é esta uma das principais razões para que tenham um sabor muito diferente dos vinhos tintos.

making-butter-and-whipped-cream-top-web.jpg
Creme e manteiga. Uma delícia fora e nos vinhos.

Além da maravilha que o vinho como ser vivo representa, através de sua riqueza de compostos, fermentação e envelhecimento, teoriza-se que a videira desenvolveu estes compostos de aroma como um avanço evolutivo para atrair insetos e animais para auxiliar na polinização e dispersão de sementes. Não vamos desapontá-las, não é mesmo?

Créditos fotos: internet.

Fonte: a sempre brilhante http://winefolly.com/tutorial/impact-compound-aromas/

5 dicas para aproveitar sua degustação

Acho que não há nada mais divertido para um winelover do que uma boa sessão de degustação. Eu, pessoalmente, me sinto como uma criança numa loja de brinquedos. E isso é especialmente divertido quando você está de férias em algumas das várias regiões vinícolas do mundo saltando alegremente de vinícola em vinícola se achando munido de todos os poderes de Baco. Até porque o vinho faz você se sentir assim. Então para tirar o máximo desta fantástica oportunidade de aprendizagem prazerosa, nunca podemos esquecer que estamos falando de álcool e por isso temos 5 dicas poderosas para você fazer bonito nas suas degustações.

DSC_0316.JPG
Tá se achando “O” Baco.
  1. Note bem: uma sala de degustação não é um bar.

Você vai num bar e paga para desfrutar de momentos especiais com amigos. Você vai a uma degustação para aprender sobre vinhos e escutar sobre eles diretamente de quem os produz ou os importa. São lugares diferentes que requerem comportamentos distintos. Portanto:

  • Não se pendure na mesa do produtor / importador. Rode a sala, busque a mesa menos atribulada e espere um momento mais adequado. Sua experiência será muito melhor.
  • Não tente chamar a atenção do sommelier falando alto ou sacudindo seu copo freneticamente. Ele é um profissional, está acostumado com estes eventos, com certeza já lhe viu e vai lhe atender oportunamente.
  • Junte-se a uma conversa para aprender sobre o vinho, mas não a interrompa. Pergunte e se interesse pelo produto, garanto que quem está lhe servindo o vinho vai se sentir recompensado. Não é hora de timidez. Pergunte mesmo.
DSC00197
Tranquilidade e atenção trazem o melhor na degustação.

2. Nunca se embriague. Nunca, nunca mesmo.

Se você gosta de embriagar-se, lembre-se que há um lugar e um momento para isso. E acredite, não é numa degustação. O álcool é uma tentação. Numa sala onde você tem todo o vinho do mundo a sua disposição, a tentação de ultrapassar limites pode ser muito grande para alguns. Não ceda. Você vai pagar com sua imagem e com sua saúde. Por isso, cuspa a maior parte das vezes no recipiente adequado (as cuspideiras). Eu sei que no começo a gente fica envergonhado, mas com o tempo e a prática você pega o jeito, prova mais vinhos do que se engolisse todos, sai com sua reputação intacta e dribla a ressaca do dia seguinte. Dica: tenha sempre um guardanapinho na mão para casos de acidentes e beba a água normalmente fornecidas nestes eventos.

IMG_7370.JPG

3. Não leve seus 49 melhores amigos sem aviso prévio ao organizador do evento / vinícola.

Seja num evento ou numa vinícola, tenha certeza que aqueles que vão lhe recepcionar estão preparados para a quantidade de pessoas e o objetivo delas (profissionais ou enófilos?). O serviço será muito melhor e vocês aproveitarão muito mais.

DSC00195

4. Seja muito elegante: compre 1 ou 2 garrafas.

Com os preços altos do vinho no Brasil, é bastante normal que em alguns eventos as empresas vendam alguns vinhos para tentar equilibrar as contas. Nas vinícolas isso é obviamente, praxe. Então seja uma pessoa bacana e compre 1 garrafa daquele que você mais gostou. Assim todo mundo fica feliz!

IMG_5532
Uma garrafinha só!

5. Não dirija. 

Sem fotinho, nem brincadeira. Não é exatamente novidade, mas vamos reforçar. Você pode até argumentar que cuspiu a maior parte dos vinhos, mas não vale a pena arriscar a sua vida ou a dos outros. Fora que se for pego numa blitz vai ter uma dor de cabeça imensa. E não será do vinho….

Fonte: 9 mistakes you are making at a tasting room