Halloween and its origins. / A Origem do Halloween.🧙🏼‍♂️🧙🏼‍♀️

img_1151

Witches in all sizes. Bruxas de todos os tamanhos. 😅

To find the origin of Halloween, you have to look to the festival of Samhain in the Celtic past. Samhain had three distinct elements:
. It was an important fire festival, celebrated over the evening of October 31st and throughout the following day.
. The flames of old fires had to be extinguished and ceremonially re-lit by druids.
. It was also a festival not unlike the modern New Year’s Day in that it carried the notion of casting out the old and moving into the new.

To our ancestors it marked the end of the pastoral cycle – a time when all the crops would have been gathered and placed in storage for the long winter ahead and when livestock would be brought in from the fields and selected for slaughter or breeding. But it was also, as the last day of the Celtic year, the time when the souls of the departed would return to their former homes and when other spirits were released from the otherworld and were visible to mankind.👻

If you ask us what does this has to do with our Iberian (Portuguese and Spanish people) ancestors, we have to tell you that a team from Oxford University has discovered that the Celts, Britain’s indigenous people, are descended from a tribe of Iberian fishermen who crossed the Bay of Biscay 6,000 years ago. DNA analysis reveals they have an almost identical genetic “fingerprint” to the inhabitants of coastal regions of Spain, whose own ancestors migrated north between 4,000 and 5,000 BC.

In other cultures Samhain can be associated with:
. Yama (Hindu – Yama was the first mortal to die and go to the next world, he is appointed as king of the dead),
. Osiris (Egyptian – lord of death and rebirth),
. Demeter (Greek – through the loss of her daughter, Persephone, Demeter is linked to the changing of the seasons: the death of the fields, with Hades stealing Persephone, Demeter lets everything died for half the year. When her daughter returns to her, leaving Hades for the next six months, all is alive again) and
. Freya (Norse- associated with fertility and abundance, but also known as a goddess of battle and war).
. Christians celebrate Samhain with Halloween (some of them) and All Saints day (most of them).

So we invite you to celebrate the never ending cycle of life and our ancestors with pride and rejoice with their blessings. And some wine too. 😜

A blessed Samhain to all.🍷


Para encontrar a origem do Halloween, você tem que voltar seu olhar para o passado, ao festival de Samhain do povo Celta. O Samhain tinha três elementos distintos:
1) Foi um importante festival do fogo, celebrado durante a noite de 31 de outubro e durante todo o dia seguinte.
2) As chamas de fogueiras antigas tinham que ser extintas e cerimonialmente re-acendidas por druidas.
3) Também foi um festival não muito diferente do dia de Ano Novo moderno, na medida em que carregava a noção de expulsar o velho e mudar para o novo.

Para os nossos antepassados, marcava o fim do ciclo pastoral – uma época em que todas as colheitas já haviam sido feitas e armazenadas para o longo inverno por vir e quando o gado já tivesse sido trazido dos campos e selecionado para abate ou para a criação.
Mas era também, o último dia do ano celta, o momento em que as almas dos que partiram retornariam aos seus antigos lares e quando outros espíritos que eventualmente fossem libertados do outro mundo, seriam visíveis para os humanos. 👻

Se você se pergunta o que isso tem a ver com os nossos antepassados ​​ibéricos (portugueses e espanhóis), temos de lhe dizer que uma equipe da Universidade de Oxford descobriu que os celtas, povos indígenas da Grã-Bretanha, são descendentes de uma tribo de pescadores ibéricos. que cruzou o Golfo da Biscaia há 6.000 anos. A análise de DNA revela que eles têm uma “impressão digital” quase idêntica às dos habitantes das regiões costeiras da Espanha, cujos próprios antepassados ​​migraram para o norte entre 4.000 e 5.000 aC.

Em outras culturas, o Samhain pode ser associado a:
. Yama (Hindu – Yama foi o primeiro mortal a morrer e ir para o outro mundo, ele é apontado como o rei dos mortos),
. Osiris (Egípcia – senhor da morte e do renascimento),
. Deméter (Grega – através da perda de sua filha, Perséfone, Deméter está ligada à mudança das estações: a morte dos campos, com Hades roubando Perséfone, Deméter deixa tudo morrer durante metade do ano. Quando sua filha volta para ela, deixando Hades pelos próximos seis meses, tudo vive novamente) e
. Freya (Nórdica – associada à fertilidade e abundância, mas também conhecida como a deusa da batalha e da guerra).
. Os cristãos celebram Samhain com Halloween (alguns deles) e Finados / Todos os Santos (a maioria deles).

Então celebre o ciclo interminável da vida e nossos ancestrais com orgulho e um brinde (com vinho, claro 😜), agradecendo suas bênçãos.

Um Samhain abençoado a todos.🍷

[mc4wp_form id=”11759″]

Rosé wine: a new habit for a new planet. / Vinho rosé: um novo hábito para um novo planeta.

Yesterday in the capital of the state of São Paulo – Brasil, thermometers recorded an incredible 32ºC (90ºF) in August and we are still ahead 21 days of spring. 30 years ago I would be in 2 pajamas and still wrapped in 3 blankets.

But this is the reality of climate change on our planet and the important thing is to adapt. Whether through the reuse, recycling or the reassessment of our attitudes.

One of the good adaptations I saw in the Brazilian wine market is its approach to rosé wine. This is a worldwide trend, but Brazilians in general have an insane attachment to red wine and still believe rosé wine is mixture of bad white wine with bad red wine. Now, the most you can achieve with this process is a bad wine of various pink colors.

 

However, since this summer the Brazilian wineries have been exploring wines in different shades of rosé, produced with the most different techniques and grapes. The techniques are different and this is subject to another post. But here’s an invitation: how about trying a rosé wine this weekend? Well, except for the gaúchos (people from the South of Brasil) who will be the only ones to suffer with radical dropping temperatures this weekend even though they provide the most part of Brazilian delicious wines. Oops! Sorry guys. 😬

20180204_153549


 

Ontem  na capital de São Paulo, os termômetros registraram incríveis 32ºC em pleno agosto, ou seja ainda faltam 21 dias para a primavera. Há 30 anos eu estaria vestindo 2 pijamas e enrolada em 3 cobertores.

Porém esta é a realidade das mudanças climáticas em nosso planeta e o importante é se adaptar. Seja através do reuso, reciclagem ou da reavaliação de nossas atitudes.

Uma das boas adaptações que vi no mercado brasileiro, é sua aproximação ao vinho rosé. Esta é uma tendência mundial, mas o brasileiro em geral tem um apego insano pelo vinho tinto e ainda acredita que vinho rosé é feito de vinho branco ruim misturado com vinho tinto ruim. Ora, o máximo que se consegue assim seria um vinho ruim de cores variadas.

Porém, desde o verão as vinícolas brasileiras vêem explorando vinhos em tonalidades diferentes de rosado, produzidas com as mais diferentes técnicas. As técnicas são diferentes e isso é assunto para outro post. Porém aqui fica o convite: que tal provar um vinho rosé neste fim de semana?  Bom exceto pelos próprios gaúchos, justamente os que fornecem boa parte destes delicosos vinhos e que serão os únicos a sofrer com a entrada de uma forte frente fria. Ups! 😬 Desculpa aí…

20180204_153549

Vindima no Dão / Winemaking in Dão

Que rufem os tambores!
Chegou o post sobre o tão esperado roteiro de Vindimas no Dão. Um convite para conhecer a fundo um dos segredos mais bem guardados de Portugal: o Dão, uma DOP que produz alguns dos mais elegantes Touriga Nacional do país.

No nosso mais tradicional roteiro oferecemos gastronomia, história e convivência na aldeia com o conhecimento aprofundado da elaboração do vinho, desde a vindima até a adega, em produtores artesanais, de médio e grande porte. Uma verdadeira imersão no mundo do vinho.

DSC_0998.JPG

Partiremos do ponto de encontro no Porto com destino à frequesia da Ínsua no conselho de Penalva do Castelo. Penalva possui uma das maiores concentrações de monumentos históricos de Portugal: sítios pré-históricos, romanos e medievais.

Já a Casa da Ínsua, uma das 4 casas que delimitam a região do Dão, foi construída na segunda metade do século XVIII. A quinta possuía a única fábrica de gelo na região, uma geradora hidroeléctrica, adegas e lagares. Tudo isso preservado com cuidados dignos de museu. Uma riqueza histórica marcante.

Dedicaremos todo um dia ao icônico Douro, berço do vinho do Porto e patrimônio mundial da humanidade. Desfrutaremos de um almoço nesta magnifíca paisagem, sua história marcante e degustaremos o mais conhecido dos vinhos portugueses: o Porto.

DSC_0265.JPG

Também dedicaremos um dia à Serra da Estrela, local da nascente do Rio Dão. Leve seu casaco, pois chegaremos ao ponto mais alto de Portugal, as Penhas Douradas.

Não deixaremos para tras o conhecido queijo da Serra, por isso vamos à premiada Queijaria de Germil a fim de compreender detalhadamente o rígido processo de elaboração do queijo da Serra da Estrela com direito a degustação.

Visitaremos uma oficina artesanal de cestaria, uma arte milenar cuja fabricação, decoração e utilização varia de acordo com cada país, região, povo, costumes, e tradição. Segundo a teoria de alguns pesquisadores existem muitas fontes sobre a origem da cestaria.

  • Origem Indígena, na fabricação de cestos para transportar objetos ou para armazenagens de alimentos.
  • Origem nômade, na procura de soluções do armazenamento e transporte de alimentos e na antiguidade.
  • Origem Persa, alguns escudos utilizados no batalhão dos imortais foram feitos de cestaria.
  • Origem Ibérica, outros dizem que a Vila de Gonçalo, localizada be perto de onde estaremos, foi o berço da cestaria em Portugal e Espanha.

cestaria

E por último, mas não menos importante teremos oportunidade de participar de 2 dias de vindima. É diversão da colheita ao lagar e à pisa, mas não se preocupe, se você se cansar é só parar para comer alguma coisa e tomar um copinho de água. Ou vinho. Uma experiência comunitária emocionante e que proporciona aos enófilos uma aprendizagem incrível.

Teremos 6 degustações exclusivas em produtores com perfis totalmente diferentes, proporcionando uma visão completa da região do Dão.

Fecharemos nossa viagem em Viseu que foi várias vezes residência dos condes D. Teresa e D. Henrique, pais de D. Afonso Henriques que teria nascido ali a 5 de agosto de 1109. Só para lembrar, D. Afonso Henriques é considerado ninguém menos que o pai de Portugal por ter unificado todas as regiões do agora país e mandado para casa os mouros que estavam por lá já há alguns séculos.

Voltando a Viseu, esta data da época dos celtiberos, prova disso é que encontraram num altar pagão datado do séc. I, as seguintes inscrições: “Às deusas e deuses vissaieigenses. Albino, filho de Quéreas, cumpriu o voto de bom grado e merecidamente.” Com a Romanização, a cidade ganhou grande importância, devido ao entroncamento de estradas romanas, por isso Viseu está associada à figura de Viriato, já que se pensa que este herói lusitano tenha talvez nascido nesta região.

DSC_0179

E outra lenda bacana que inclusive está representada no brasão da cidade. O rei Ramiro II de Leão, em viagem para outras terras, conheceu Sara, a irmã de Alboazar, rei do castelo de Gaia, e se apaixonou a tal ponto que raptou Sara. Ao saber do sucedido, o irmão de Sara vingou-se raptando a esposa do rei, D. Urraca. Ferido no orgulho, D. Ramiro teria escolhido em Viseu alguns dos seus melhores guerreiros para o acompanharem, penetrando sorrateiramente no castelo, e deixando os guerreiros nas proximidades. Enquanto Alboazar caçava, D. Ramiro conseguiu entrar no castelo e encontrar D. Urraca que, sabendo da traição do marido, recusou-se a acompanhá-lo. Quando Alboazar regressou da caça, D. Urraca decide vingar-se do marido mostrando-o ao raptor. Ramiro, aprisionado e condenado à execução, pede para, como último desejo, morrer ao som da sua buzina, que era o sinal que tinha combinado com os soldados para entrarem no castelo. Ao final do sexto toque, os soldados cercam imediatamente o castelo, incendiando-o. Alboazar morreria nas mãos dos soldados do rei Ramiro. Parabéns a D. Urraca e pena que D. Ramiro se saiu com a sua, mas assim é a história.

Viseu tem muita história, é uma cidade muito bonita (premiada várias vezes como a melhor cidade da Europa para se viver) e tem lojas, shoppings etc, para você poder levar além das lembranças, muita coisa bonita para casa.

Não perca tempo, como a hospedagem é em casa de proprietário rural (e que casa), as vagas são limitadas!

IMG-20170922-WA0032


Drums rolling!

The long-awaited post is finally here: Winemaking in Dão Tour. An invitation to know one of the best-kept secrets in Portugal: Dão, a DOP that produces some of the most elegant Touriga Nacional in the country.

In our most traditional itinerary, we offer gastronomy, history and living in a Portuguese village with in-depth knowledge of winemaking, from harvest to the winery, in small and medium-sized artisan producers. A true immersion in the world of wine.
DSC_0998
We will leave the meeting point in Porto to freguesía of Ínsua in Penalva do Castelo council. Penalva has one of the largest concentrations of historical monuments in Portugal: prehistoric, Roman and medieval sites.
Casa da Ínsua, 1 of the 4 houses that surround Dão, was built in the 2nd half of the 18th century. The “quinta” had the only ice factory in the region, a hydroelectric generator, wineries and mills preserved with museum-worthy care. An extraordinary historical richness.
We will dedicate a whole day to the iconic Douro, the cradle of Port wine and world heritage of humanity, enjoying lunch in this magnificent landscape, its remarkable history and tasting the best-known Portuguese wines: Porto.
DSC_0265
Likewise, we will dedicate one day to the Serra da Estrela, the source of the Rio Dão. Take your coat, because we will visit the highest point of Portugal, the Penhas Douradas.
We will not leave forget the well-known cheese from Serra, so we go to the award-winning cheese producer in Germil to understand the rigid handling of elaboration of the Serra da Estrela cheese. Tasting included.
We will visit a handmade basketwork workshop, an ancient art which manufacture, decoration and use vary according to each country, region, people, customs and tradition. As per researchers, the millenary art of basketry could have several origins:
  • Indigenous origin, manufacture of baskets for carrying objects or for storing food.
  • Nomad origin, in search of food storage and transport solutions.
  • Persian origin, the shields used in the battle of the immortals were made of basketry.
  • Iberian origin, others say the village of Gonçalo, near where we will be, was the cradle of basketry in Portugal and Spain.

cestaria

And last but not least we will participate in 2 days of harvest. It’s fun to harvest and drink, but do not worry, if you get bored or tired, just stop and have something to eat, drink a glass of water. Or maybe wine. An exciting community experience that gives oenophiles incredible learning.
We will have 6 exclusive tastings in producers with different profiles, providing a complete view of Dão.
We will finish our trip in Viseu that was a residence by counts D. Teresa and D. Henrique, parents of D. Afonso Henriques who was born there August 5th, 1109. Just as a reminder, D. Afonso Henriques is none other than the father of Portugal for having unified all regions of the now country and sending home the Moors who were there for several centuries.
Back to Viseu, that dates from the time of the Celtiberians, proof of this is they found on a pagan altar dated from the first century the following inscriptions: “To the Goddesses and the Gods Vissaieigenses. Albino, son of Quensas, fulfilled the vote willingly and deservedly”. With the Romanization, the city gained great importance, due to the intersection of Roman roads, so Viseu is linked with the figure of Viriato since the Lusitanian hero may have been born in this region.
DSC_0179
Another nice legend is represented in the coat of arms of the city: King Ramiro II of Leon, on a journey abroad, met Sara, the sister of Alboazar, king of the castle of Gaia, and fell so much in love he kidnapped Sara. On learning what had happened, Sara’s brother took avenge by kidnapping the king’s wife, D. Urraca. Wounded in pride, D. Ramiro chose in Viseu his best warriors, sneaked alone into the castle, and left his warriors nearby. While Alboazar was hunting, D. Ramiro found D. Urraca, who, knowing of her husband’s betrayal, refused to go with him. When Alboazar returned from hunting, D. Urraca took revenge on her husband by showing him the abductor. Ramiro, imprisoned and sentenced to execution, asks as his last wish to die at the sound of his horn, which was the signal for his soldiers to invade the castle. At the end of the sixth ring, the soldiers at once surround the castle, setting it on fire. Alboazar died at the hands of King Ramiro’s soldiers. Cuddles to D. Urraca and sorry that D. Ramiro could escape, but such is history.
Viseu historic heritage is vast, a delightful city (awarded several times as the best city to live in Europe) and it has shops, malls etc, so you can take not only memories but still something lovely home.
Lose no time, because accommodations are in a village house (and what a house, wow), spots are limited!
IMG-20170922-WA0032

Notícia boa: setor vinícola encerra 2017 com alta de 5,6%. Só que não. / Good news: Brazilian wine sector closes 2017 growing 5.6%. But not really.​

Segundo informações divulgadas pela Ibravin, o setor vitivinícola brasileiro teve uma retomada iniciada no 3. trimestre e que ganhou fôlego nos últimos três meses do ano, terminando 2017 com dados positivos e apresentando crescimento de 5,6% nas vendas no mercado interno. Só que não.

Aos números, ainda segundo a Ibravin.

Dados de destaque:

– No mercado interno o setor vitivinícola ampliou as vendas em 5,6%.
– Na categoria de vinhos tranquilos, que ficou com alta de 2,1% no ano, a retomada da comercialização ocorreu no último trimestre. Entre outubro e dezembro as vendas cresceram 32% na comparação com o mesmo período do ano anterior.
– A participação de mercado dos rótulos nacionais de vinhos tranquilos ficou em 61,5%.

Desempenho comercial.jpg

Fonte: Assessoria de Imprensa Ibravin

A verdade é que diante de um crescimento estimado de 0,89% do PIB brasileiro, os números acima são interessantes. O que me incomoda é que colocaram os sucos junto com os vinhos.  

ldqv0

Os 2 produtos não são de maneira alguma intercambiáveis, então um crescimento na venda dos sucos de uva é ótimo para a saúde da população (segundo os médicos) e para os agricultores que plantam uva americana, mas não tem nada a ver com oportunidades no mercado do vinho.

Temos excelentes notícias em relação à ST já retirada dos estados da Bahia, Pernambuco, Goiás, Maranhão e Pará e além disso, os números acima são boas notícias, mas não precisamos dourar a pílula, misturando dados que devem ser analisados separadamente para que possamos realmente buscar alternativas para o crescimento.

0c87c27e31493a110f911fbefd29ff3b

According to information released by Ibravin, the Brazilian wine sector reignited in the third quarter. It gained momentum during the last 3 months of the year, ending 2017 with positive data and presenting a growth of 5.6% in sales in the domestic market. But not really.

To the numbers, still according to Ibravin.

Highlights:

– In the domestic market, the wine sector increased sales by 5.6%.
– In the category of still wines, which was up 2.1% in the year, the resumption of commercialization occurred in the last quarter. Between October and December, sales grew 32% compared to the same period last year.
– The market share of the national labels of still wines was 61.5%.

Desempenho comercial.jpg

Source: Ibravin Press Office

Given the estimated growth of 0.89% of Brazilian GDP, the above figures are interesting. What bothers me is that they put the juices along with the wines.

ldqv0

The 2 products are not interchangeable, so a growth in the sales of grape juice is great for the health of the population (according to doctors) and for farmers who grow indigenous grapes, but it has nothing to do with opportunities in the wine market.

We have excellent news on ST (tax surplus) withdrawn from the states of Bahia, Pernambuco, Goiás, Maranhão and Pará. All the above numbers are good news, but we need not to sugar coat the pill by mixing up data that should be analyzed separately so we can actually look for ways to grow the Brazilian wine market.

0c87c27e31493a110f911fbefd29ff3b

Receita de Canelé Bordelais. E sim, tem tudo a ver com vinho.

Este docinho simples e simpático, típico da região vinhateira de Bordeaux, na França, seduz há séculos. Um pouquinho de história e a receita desta delícia estão bem aqui!

IMG_1573

A associação da canelé com o vinho é simples: os produtores de vinho adicionam claras de ovo ao mosto do vinho, num processo conhecido como clarificação, que retira o excesso de sedimentos do vinho e deixa-o mais suave. Há alternativas modernas ao processo, porém, as claras de ovos ainda são usadas por muitas vinícolas de pequeno porte.

Historicamente, as gemas de ovo oriundas deste processo viraram doces encantadores pelo mundo, e na França, mais especificamente em Bordeaux, foram utilizados para criar os primeiros canelés. Se você estiver em Bordeaux, as canelés são muito fáceis de achar e segundo o povo de lá mesmo, as da Baillardran são as melhores. Se não for o caso, segue a receita.

Nossa receita exige bem poucos ingredientes e eu acho até bem simples de fazer, para tanto sabor. Rende de 12 a 16 porções, dependendo do tamanho da sua forma.

2  detalhes importantes:
. As canelés devem ser preparadas de véspera.
. Deve-se usar a forma própria. Além da questão estética, eu notei que as que eu preparei nas formas de cupcake, ficaram parecidas com queijadinhas, murcharam mais e ficaram mais torradas e secas. A forma tradicional é de cobre, quase impossível de achar até na França. A minha, eu trouxe de lá, mas é de silicone. Ótima. Por aqui, eu já vi em boas casas do ramo.

Ingredientes:
. 1/2 litro de leite
. 2 ovos inteiros
. mais 2 gemas de ovo batidas
. 1/2 fava de baunilha ou 1/2 colher de chá de extrato de baunilha
. 3 colheres de sopa de rum
. 1 xícara de farinha de trigo
. 1 xícara de açúcar mascavo
. 2 colheres de sopa de manteiga
. Manteiga para untar a forma
. Açúcar branco para polvilhar a forma

Instruções:
No dia anterior:
. Ferva o leite com a baunilha e a manteiga. Retire o fogo, deixe esfriar só um pouco.
. À parte, misture a farinha com o açúcar, em seguida, adicione os ovos e as gemas de ovo à essa mistura.
. Depois, despeje esta mistura no leite morno.
. Misture tudo suavemente para obter uma mistura fluída e suave, tipo massa de panqueca. E se achar que errou: não, não errou, a massa fica quase líquida.
. Deixe esfriar e adicione o rum. Pode não usar rum? Pode, mas não é igual e não esqueça que o álcool evapora no forno.
. Leve à geladeira por 24 horas a 48 horas no máximo, a fim de hidratar bem a farinha de trigo.
Para assar as canelés:
. Pré-aqueça o forno a 250ºC.
. Unte a forma própria com manteiga e, em seguida, polvilhe com um pouco de açúcar.
. Despeje a massa apenas até estarem 3/4 cheios – NÃO mais. Parece inacreditável, mas elas crescem no forno e se você encher demais vai ser um rolo.
. Apoie a forma de silicone numa assadeira, e leve ao forno em temperatura alta por 5 minutos, em seguida, baixe a temperatura para 175ºC e continue a cozinhar por 1 hora mais ou menos.
. Os canelés estarão prontos quando sua adorável e quase crocante cobertura estiverem com uma leve crosta marrom, e eles ainda estiverem úmidos, quase como um pudim, por dentro, mas sem soltar sedimentos quando espetados com palito.
. Desenforme com cuidado enquanto ainda mornos.

As minhas ficaram ótimas em relação ao sabor e textura, mas preciso fazê-las mais uniformes, pois as cores estavam muito diferentes e entender também porque murcharam tanto. Diz a lenda que é porque não usei ovos frescos. Onde achar ovos frescos em São Paulo é que é o desafio…

IMG_1574

Você pode servir as canelés com chá ou café, ou desfrutá-las numa versão mais ousada, com vinho do Porto ou conhaque. Aliás é ótima para servir em festas, você prepara na véspera e só põe no forno na hora que for adequada. Bon appetit!

2 histórias se cruzam por um instante e 4 séculos: Solar de Mateus e Mateus Rosé

Portugal tem muitas marcas de vinhos populares ao redor do mundo, por exemplo, Casal Mendes, Periquita, Calamares, Casal Garcia e o Mateus Rosé, para mencionar alguns. Curiosamente, o Mateus Rosé não é muito popular por aqui, porém foi a primeira marca portuguesa de vinho apreciada mundialmente, estando presente em 125 países, há várias décadas.

vinho_mateus_rose

A história do Mateus Rosé começa em 1942, quando Fernando Van Zeller Guedes, o fundador da gigante de vinhos portuguesa, Sogrape, criou um conceito distinto, apresentado numa garrafa inovadora. A garrafa foi inspirada nos cantis usados pelos soldados na Primeira Guerra Mundial. O tal vinho era diferente: cor-de-rosa, adocicado, refrescante e com uma efervescência ligeira. O rótulo foi uma homenagem ao grandioso património histórico português.

s-l1000
Antiga garrafa de Mateus à venda no eBay.

O vinho especialmente concebido para os mercados norte-americano e do norte da Europa, cresceu rapidamente nas décadas de 1950 e 1960 e, no final da década de 80, junto com a versão de branco, representou quase 40% da exportação total de vinho de mesa de Portugal.

No início dos anos 70, Mateus Rosé era o vinho mais popular do mundo. A Rainha Elizabeth está até hoje entre suas fiéis consumidoras. Diz a lenda que a Rainha ficou insatisfeita com a selecção de vinhos oferecida em uma festa privada no Hotel Savoy em Londres no início dos anos 60 e pediu ao maitre que lhe trouxesse Mateus.

d856ff330e7f79256cea4cd4853f1258
Jimmy Hendrix curtindo um Mateus.

Hoje, o vinho perdeu um pouco de sua popularidade internacional, mas mesmo assim milhares  de estrangeiros (70% dos 80.000 visitantes anuais) buscam o edifício que corre o mundo no rótulo do Mateus Rosé. O Palácio ou Solar de Mateus está situado na freguesia de Mateus, concelho de Vila Real, Distrito de Vila Real e foi construído na primeira metade do século XVIII pelo 3º Morgado de Mateus, António José Botelho Mourão para substituir a casa da família, já existente no local, desde o início do século XVII.

20160907_183336
Um Solar para chamar de seu.

Segundo especialistas, a construção da casa, ou pelo menos de sua fachada central e decoração, é atribuída ao artista, decorador e arquiteto italiano Nicolau Nasoni (Toscana, 2 de Junho de 1691 – Porto, 30 de Agosto de 1773), considerado um dos mais significativos arquitetos da cidade do Porto durante o século XVIII.

A fachada do palácio se destaca pela dupla escadaria que conduz à porta principal, sobre a qual aparece o escudo familiar flanqueado por duas estátuas. No interior,  pode-se visitar uma biblioteca que abriga livros do século XVI, valiosos móveis, porcelanas e quadros e um pequeno museu onde se encontra 1 edição de “Os Lusíadas” de Luís de Camões, da qual só se produziram 200 exemplares. Parte da casa é fechada à visitação, pois ainda é habitada pela família.

20160907_181627

O palácio encontra-se rodeado por um lindo jardim cravado de belas estátuas. Chama a atenção, uma escultura de 1981, de João Cutileiro – Dorme no Lago. E muitas vinhas. Porém, o vinho rosado das garrafinhas bojudas não é feito aqui. O Palácio produz um vinho sim, mas o Porto Quinta da Costa das Aguaneiras. Exatamente, tudo que os 2 têm em comum é a fachada da mansão no rótulo mundialmente famoso e nada mais.

Em 1911, o Palácio de Mateus foi classificado como Monumento Nacional. Acima de tudo, a Casa de Mateus é hoje uma fundação privada, criada para proteger e divulgar o patrimônio histórico e fomentar a atividade cultural.

E mesmo que estas 2 histórias se cruzem por um momento muito mais breve do que eu poderia esperar, recomendo tanto a visita ao Palácio quanto uma boa garrafa de Mateus.

Fonte: Vinho Mateus Rosé e Casa de Mateus

Por que vinho tem aroma de abacaxi, canela ou madeira? Alguém colocou tudo isto lá? Descubra aqui o segredo para esta pergunta que não quer calar.

Existem bem mais de 100 compostos aromáticos individuais no vinho que interagem uns com os outros para criar milhares de aromas potenciais. Ainda assim, apesar do que você possa ter ouvido, não importa se você é um super provador ou aquele tipo de cara que gira a taça e cheira em desespero sem sentir absolutamente nada, quase todo mundo pode melhorar o seu olfato, aprendendo a identificar diferentes aromas no vinho. Isso soa complicado, mas se resume simplesmente a praticar e prestar muita atenção – e é claro que anotar umas dicas do Master Sommelier Matt Stamp, não vai fazer mal para ninguém.

Roda-dos-Aromas-do-Vinho.jpg

Aroma pra caramba!

Se você já detectou aromas distintos no vinho, provavelmente você está a caminho de aprender a identificar diferentes classes de aromas. Por exemplo, você pode ter encontrado uma nota de pimentão verde, grama recém cortada ou até mesmo cheiro de gasolina. Por mais complexa que seja a ciência dos aromas, existem algumas classes  de compostos muito conhecidos, referidos como compostos de impacto, que são prevalentes em certos vinhos. Estes compostos de impacto são como indicadores muito relevantes, apontando para um varietal e não outro, o que significa que aprender a identificá-los pode desbloquear habilidades sobrenaturais de degustação tipo o Masters da vida. Da próxima vez que você provar um vinho, tente identificar o seguinte:

1.Pirazinas (metoxipirazina)
Aromas de pimentão, grama cortada fresca, pimentão verde, aspargos, ervilha e terra.
Vinhos: Cabernet Sauvignon, Merlot, Malbec, Carménère, Sauvignon Blanc e Cabernet Franc.
As pirazinas são mais associadas com variedades de Bordeaux. Em vinhos tintos, é muitas vezes um toque mais difícil de sentir e às vezes pode ser associada com aroma de chocolate amargo. A maioria dos enófilos adoram estes aromas nos seus brancos, mas o tomam com reserva nos tintos. Curiosamente, à medida que os vinhos tintos envelhecem, a pirazina modifica-se, revelando cereja e chocolate.
Existem 3 metoxipirazinas primárias que contribuem com aromas “vegetais”:
. 2-metoxi-3-isobutil-pirazina (IBMP) = aromas de pimentão, terra, grama e herbáceos;
. 2-metoxi-3-isopropilpirazina (IPMP) = aromas de aspargos, ervilhas e terra;
. 2-metoxi-3-alquilpirazina = aromas de noz e defumados.

c3732f84674951540c46c633027e9ec5

2. Monoterpeno
Aromas de rosas, flores, frutas doces, mexerica, coentro e especiarias doces.
Vinhos: Gewürztraminer, Viognier, Riesling, Albariño, Muscat Blanc e Torrontés.
Os monoterpenos mais pronunciados incluem os compostos de Linalol, Geraniol e Nerol. Estes são os mesmos compostos aromáticos utilizados para criar perfumes, sabonetes e xampus com aromas doces por isso não é nenhuma surpresa que algumas pessoas possam descrever estes vinhos como tendo um cheiro de sabonete. O que é interessante sobre estes aromas é que ao contrário dos outros compostos, você pode senti-los nas frutas, ou seja, eles independem da vinificação.

c572ab20a56dced80936dcba8f0ea1d4

3. Sotolona
Aromas de curry, xarope de bordo (o famoso maple syrup), feno-grego, nozes e melaço.
Vinhos: oxidados como Madeira, Vin Jaune, Jerez, Sauternes e alguns tintos ou Chardonnays bem antigos.
Este é o principal composto de sabor encontrado no feno-grego. No vinho, provém da oxidação e é mais prevalente em vinhos fortificados como o Jerez e o Madeira. Você também pode prová-lo se você envelhecer um vinho branco por cerca de 7 a 10 anos, este aroma é intrigante e fundamental para identificar vinhos antigos.

 

Maple Syrup: aproveite para provar fora do Brasil. Taí um aroma difícil para nós. Feno-grego é mais fácil de encontrar. Vire um rato de feiras, supermercados e floriculturas.

4. Rotundona
Aromas de pimenta preta, manjerona, couro, cacau em pó e ervas.
Vinhos: Syrah ou Shiraz, Grenache, Zinfandel, Petite Sirah, Grüner Veltliner e Mourvèdre.
Este composto é o ingrediente chave nas pimentas preta e branca e é cerca de 10.000 vezes menos prevalente no vinho. Ainda assim, a sensibilidade humana a este composto é muito elevada, por isso desempenha um papel importante nos perfis de sabor dos vinhos que o contêm.

77ee1d8e607d624c4c92b7f584d871f2

5. Compostos de Enxofre
Podem ser o segredo da super discutida origem da mineralidade no vinho.
Vinhos: Chablis e Champagne
Alguns compostos de enxofre têm notas fantásticas, como o aroma de giz num excelente Chablis. Outros são bem ruins, como cheiro de lã molhada,  considerado uma falha no vinho causada pela exposição à luz solar.

chalk.gif

6. TDN (1,1,6, -trimetil-1,2-di-hidronaftaleno)
Aromas de querosene, petróleo e diesel.
Vinhos: possivelmente em Sauvignon Blanc e Chardonnay, mas é mais perceptível (e amado) no Riesling.
Este aroma é um dos poucos compostos que quase inexistem em uvas ao natural e se desenvolvem nos vinhos à medida que envelhecem. Os vinhos com notas mais pronunciadas de gasolina vêm de vinhedos mais quentes porque este composto se desenvolve com uvas expostas à forte luz solar.

5f07e92f3525a17e50f119379bad6093

7. Diacetil
Aromas de manteiga e creme de leite.
Vinhos que sofreram fermentação maloláctica.
Este composto é muito mais pronunciado em vinhos brancos, mas acrescenta um aspecto muitas vezes descrito como cremoso ou aveludado ao vinho tinto. O diacetil se origina no processo de pós-fermentação chamada fermentação maloláctica que envolve bactérias que consomem o ácido málico e o transformam em ácido láctico. O resultado é um vinho incrível com aroma e textura cremosos e amanteigados . Pouquíssimos vinhos brancos passam por este processo é esta uma das principais razões para que tenham um sabor muito diferente dos vinhos tintos.

making-butter-and-whipped-cream-top-web.jpg

Creme e manteiga. Uma delícia fora e nos vinhos.

Além da maravilha que o vinho como ser vivo representa, através de sua riqueza de compostos, fermentação e envelhecimento, teoriza-se que a videira desenvolveu estes compostos de aroma como um avanço evolutivo para atrair insetos e animais para auxiliar na polinização e dispersão de sementes. Não vamos desapontá-las, não é mesmo?

Créditos fotos: internet.

Fonte: a sempre brilhante http://winefolly.com/tutorial/impact-compound-aromas/

Que o álcool afeta muita coisa você já sabia, mas sabe como ele altera o sabor da sua bebida? / You already knew that alcohol affects a lot of things, but do you know how it changes the taste of your drink?

Você já reparou que ao adicionar água ao uísque, que reduz sua porcentagem de álcool, se revelam novos e sutis sabores? Ou que uma taça de vinho tinto tem menos sabor frutado do que suco de uva sem álcool? 

Já que nosso assunto principal é vinho, comecemos por inalar profundamente o vinho que está na sua taça para compreender este processo. Você pode descrever os aromas que detecta? Frutas secas, frutas frescas, flores, grama, madeira e/ou especiarias? Esqueça os caríssimos kits atopetados de aromas artificiais tipo morango de xarope ou cereja de balinha. Ou vice-versa. Uma boa maneira de treinar seu cérebro e aumentar a sua memória olfativa é treinar em feiras, jardins, floricultura e lojinhas de temperos.

 

 

 

 

Esta lojinha de temperos pode ser um banquete de aromas.

Graças ao nosso sentido do olfato,  podemos detectar até 10.000 odores diferentes, embora não possamos identificar todos eles. Isto acontece por causa do “limite de detecção” que é a concentração mínima de um aroma que deve estar presente para que possamos percebê-lo. Agora, atenção que isto é importante:

  1. Os aromas, também chamados de cheiros, odores e fragrâncias, consistem em uma ou mais moléculas de aroma. Os aromas são voláteis e atingem o nosso olfato através do intervalo entre os mesmos, ou seja, o espaço aéreo diretamente acima da superfície do líquido que vai eventualmente terminar nas nossas narinas.

2. Nós percebemos os aromas através do nariz (oronasal), bem como através da boca (retronasal). Cada vez que engolimos, a língua detecta os sabores (esse é outro papo) e os aromas sobem através pela parte traseira de nossa garganta e pela passagem nasal. Isto explica porque degustamos vinho usando uma técnica um tanto bizarra – fazendo ruído para movimentar e sacudir e arejar o vinho (e portanto, os aromas). Desta forma, não há necessidade de engolir o álcool, mas pode-se detectar melhor as moléculas de aromas voláteis do vinho.

AAEAAQAAAAAAAAYkAAAAJDFiOTliMjQyLTk1YTEtNGJkMi05ZmMzLWJjMjAzZTJiZTY3OA.png

3. Muitos fatores influenciam os odores que podemos detectar durante uma degustação, inclusive o mecanismo de deglutição e o cérebro, porém o importante aqui é que cada molécula de aroma se comporta de forma diferente em distintos solventes, dependendo de suas propriedades físicas. As moléculas de aroma hidrofóbicas são adversas à água. Elas tendem a fugir quando cercadas por moléculas de água, subindo para o tal intervalo, onde é mais fácil serem detectadas pelo nosso olfato.

4. Por outro lado, as moléculas de aroma hidrofílico têm afinidade com moléculas de água e preferem permanecer em líquidos. O álcool (etanol) tem propriedades parcialmente hidrofóbicas. Isto explica porque as moléculas hidrofóbicas dos aromas encontrados em bebidas alcoólicas ainda permanecem em seu vinho apesar da presença do álcool.

5. A proporção de líquidos – água x álcool – determina quais aromas são mais fáceis de detectar do que outros: quanto mais álcool houver em sua bebida, os aromas mais hidrofílicos escaparão para o intervalo. Por outro lado, quanto maior o volume de água, mais aromas hidrofóbicos você terá escapando do líquido e se movendo para o intervalo.

Aqui vemos o Prof. Pedro detectando aromas no tal intervalo.

Na sua próxima degustação você pode ter certeza que o prazer da riqueza de aromas percebidos é devido também a este equilíbrio muito delicado de água x álcool. Graças à presença dele, conseguimos apreciar os sabores sutis dos nossos vinhos e bebidas alcoólicas favoritas e especialmente harmonizá-los com a comida!

 

 

 

 

 

Deguste os mesmos pratos com um vinho branco ou rosé (normalmente menos alcoólico) e com um tinto (tradicionalmente mais alcoólico) e tire suas próprias conclusões.

Fonte: O álcool e os aromas no vinho de Bernard Lahousse


english-language-button-7315218

Have you ever noticed that adding water to whiskey, which reduces alcohol percentage, reveals new and subtle flavours? Or that a glass of red wine has less fruity flavour than grape juice without any alcohol?

Since our main subject is wine, let us begin by inhaling deeply the wine which is in our glass to understand this process. Can you describe any aromas? Dried fruits, fresh fruits, flowers, grass, wood and/or spices? Forget about the expensive kits with artificial aromas of strawberry syrup or baloney cherry. A good way to train your brain and increase your olfactory memory is to train at fairs, gardens, flower and spice shops.

20170306_13013320170306_130138

 

 

 

 

 

 

This spice shop can be a feast of aromas.

Thanks to our sense of smell, we can detect up to 10,000 different odours, although we can not identify all of them. This is because of the “limit of detection” which is the minimum concentration of an aroma that must be present before we can perceive it. Now, note that this is important:

1. The aromas, also called scents, odours and fragrances, comprise one or more aroma molecules. The aromas are volatile and reach our nostrils through the gap between them. It is the airspace directly above the surface of the liquid that will eventually end up in our nostrils.

2. We perceive the aromas through our nose (oronasal) and through our mouth (retronasal). Each time we swallow, our tongue detects flavours (this is another different post) and the aromas rise through the back of our throat and through the nasal passage. This explains why we taste wine using a rather bizarre technique – making noise to move, shake and aerate wine (and therefore the aromas). In this way, there is no need to swallow alcohol, but one can better detect the molecules of volatile wine aromas.

AAEAAQAAAAAAAAYkAAAAJDFiOTliMjQyLTk1YTEtNGJkMi05ZmMzLWJjMjAzZTJiZTY3OA

3. Many factors influence odours we can detect during a tasting, including the swallowing mechanism and the brain, but the important thing here is that each aroma molecule behaves differently in different solvents, depending on its physical properties. Hydrophobic aroma molecules are averse to water. They flee when surrounded by water molecules, rising to such an interval where it is easier to be detected by our sense of smell.

4. On the other hand, hydrophilic flavour molecules have an affinity with water molecules and prefer to remain in liquids. Alcohol (ethanol) has partially hydrophobic properties. This explains why the hydrophobic molecules of the aromas found in alcoholic beverages remain in wine despite the alcohol.
5. The ratio of liquids – water to alcohol – determines which scents are easier to detect than others: the more alcohol in your drink, the more hydrophilic aromas will escape into the range. The higher the volume of water, the more hydrophobic scents you will have escaping from the liquid and moving into the range.

20160930_123009

Here we see Prof. Pedro detecting scents in such a range.

In your next tasting, notice the pleasure of the richness of perceived aromas is also due to this delicate balance of water vs. alcohol. Thanks to their presence, we have been able to enjoy the subtle flavours of our favourite wines and spirits and especially harmonize them with food!

Try the same dishes with a white or a rosé wine (usually less alcoholic) and a red wine (traditionally more alcoholic) and draw your own conclusions.

Source: Alcohol and aromas in the wine of Bernard Lahousse

Aposto que desta uva você nunca ouviu falar.

A uva Goethe, também chamada de Rogers 1, é uma híbrida, ou seja, uma uva criada pela mistura com outras. No caso da Goethe, ela foi criada por um cientista americano, E. S. Rogers, e faz parte de um grupo de 45 variedades criadas por ele, em meados do séc. XIX em Massachusetts. O conjunto delas foi chamado de Roger’s Hybrids e em 1862 já aparecia em catálogos de plantas. Ela apareceu no Brasil a partir de 1877 durante colonização italiana. Ou seja, não é exatamente uma novidade. Novidade é o sucesso que ela vem fazendo no sul de Santa Catarina.
20_04-11-2013_07-36-39_6

A Goethe é a soma por polinização de 13% de Vitis Labrusca (uvas de mesa, não viníferas ou também chamadas americanas), no caso, a variedade Carter com 87% de 2 uvas viníferas (uvas europeias próprias para a elaboração de vinhos), neste caso as variedades Moscatel de Hamburgo e Chasellas branca.

A Moscatel de Hamburgo é muito aromática, agradável e dá vinhos bem frescos e frutados. A Chasellas é uma das principais variedades suíças (da denominação de origem Valais) e da região fronteiriça francesa que resulta em brancos com boa acidez, vinhos ótimos para fondue, por exemplo. E quando a gente fala de uvas brancas com boa acidez, logo lembramos de espumante, como este produzido com a Goethe.

casa-del-nonno-goethe-spumante-demi-sec

Esta uva se adaptou bem às condições climáticas e aos solos da região de Urussanga, no sul de Santa Catarina e foi amplamente difundida entre os colonos da região. O cultivo da uva Goethe é raro por que sua acidez limita um pouco sua utilização enológica e além disso ela pode ser sensível sob certas circunstâncias climáticas. Porém, o entusiasmo econômico gerado pela casta, nesta região foi tanto que o selo de indicação geográfica de procedência Vale das Uvas Goethe foi conquistado em 2011 e implatado em 2013.

foto_4935

 

IGP.001

O calcanhar de Aquiles de todo este sucesso é a utilização da uva americana Carter na formação da Goethe. Os híbridos são, por exemplo, proibidos na Europa e vêm sendo extirpados de várias partes do mundo, porque produzem aqueles vinhos com gostinho de vinho de garrafão. Aqui no Brasil, as uvas americanas ou de mesa são parte da cultura vitivinícola do país e bem aceitos pela maioria dos consumidores brasileiros.

E você, já parou para pensar na uva que compõe o seu vinho?

Fontes:  Vales da Uva GoetheProgoethe

10 presentes para você NÃO dar para seu amigo enófilo neste Natal

Então é Natal. Em épocas de crise a gente se vê forçado a usar a imaginação, sabe o ditado chatinho: na crise, crie. Aham, então tá.

Mas você tem aquela amiga(o) fanática(o) por vinho, quer agradar, não sabe como escolher um presente para ela/ele que não seja o Chatô Carô e se vê forçado a escolher uma lembrancinha criativa, talvez algo que você mesmo possa fazer?! Pode ser uma alternativa, porém não caia nas seguintes tentações:

1) Garrafa de vinho disfarçada de abacaxi.

Olha só o tempo que você vai gastar para fazer esta tralha, fora que vai danificar o chocolate com a cola quente. De quebra ainda vai acabar desmontando a coisa inteira no caminho. Tudo isto para cobrir uma garrafa e um rótulo que são por si só um ótimo presente.

img_0760

2) Roupinha para garrafa de vinho.

Um caso semelhante ao anterior, menos trabalhoso já que acho que dá para comprar pronta. Porém igualmente ridículo. Seu amigo quer colocar roupinha em algo? Adote um animalzinho ou compre uma boneca…

img_0761 img_0766

 

 

 

 

 

 

 

 

3) Cinta para segurar copo de vinho.

Muito útil quando você é um profissional do vinho e precisa degustar, cuspir, fazer anotações, cumprimentar produtores e vendedores e ao contrário do polvo possui apenas 2 braços. Se não é caso da presenteada, você concordaria comigo que irá ser um tanto estranho quando toda a família andar pela casa com um raio de uma taça pendurada no pescoço. Sei lá. Só acho.

img_0763

4) Garrafa + taça de vinho.

Adoro as duas, mas quando você as junta num mesmo objeto é sinal que está bebendo no gargalo mesmo. A presença da taça ali não disfarça nada, ok? Sugira ao presenteado uma consulta com um bom médico quando ele chegar neste ponto. Será um presente muito mais útil.

img_0758

5) Xícara de café para vinho.

Nada contra tomar vinho seja onde for, aliás muito produtores franceses provam seus vinhos em xícaras quando trabalhando na adega. No entanto, este caso é muito parecido com o anterior. Quando você precisa disfarça vinho numa xícara, já era. Troque igualmente pelo presente anterior.

img_0759

6) Meia de Natal pedindo vinho para os moradores do lar.

Digo moradores do lar porque acho que a família deste ser já se mandou. Pinguça, folgada e não muito educada, já tá demais. Evite o divórcio de quem você quer bem e escolha outra coisa.

img_0755

7) Acessórios para vinho com cunho sexual. 

No caso temos 3 exemplos: um abridor, uma tampa para garrafas que ajuda a conservar o vinho e um porta garrafa. Nem vou entrar em muitos detalhes, apenas peço que imagine aquele clima felizão de Natal, família toda reunida e a doce vovozinha vai pegar o vinho, o abridor ou a tampa na cozinha. E apesar do que diz a legenda, não é sexy. Acredite.

img_0765img_0764

 

 

 

 

 

 

 

8) Meia de Natal para colocar vinho dentro.

Por que? Só pergunto porque? Expõe o vinho à oxigenação, põe o coitadinho em contato com plástico (horror, ó horror) e vai expor os convidados de quem usar este treco a um tremendo perrengue na hora de se servir. Tenho pena dos tapetes. Então, leva a garrafa mesmo, tá?

img_0754

9) Roupa porta garrafa. 

Disponível na versão inverno se o presenteado está em algum lugar onde está frio nesta época e também no modelito verão, caso dos habitantes do nosso amado país tropical. Seja como for, quando alguém precisa guardar a garrafa dentro da própria roupa é hora de ter uma conversa muito séria com a pobre criatura.

img_0756img_0757

10) Sutiã com canudo para vinho.

Nem sei o que dizer. Vai servir a família com este treco? Tomar sozinha? Bizarro? Assustador? Pervertido? Arrepiante? Asqueroso? Tantas perguntas. Uma resposta: Não. Não mesmo. Em hipótese alguma.

img_0762

 

Se você quer boas dicas de presentes para enófilos, procure aqui Acessórios especiais e úteis para quem ama vinho ou aqui Quiosque da Eu Levo Vinho

Hohoho!