A Ilha de Sainte-Marguerite. Romanos, piratas e o homem da máscara de ferro no meio de uma lição sobre ânforas.

No segundo post sobre passeios alternativos para quem está em Cannes, na França, vamos falar sobre a encantadora ilha de Sainte-Marguerite.

A chegada à Ilha de Sainte Marguerite promete.
A chegada à Ilha de Sainte-Marguerite promete.

A ilha é pequena,  tem aproximadamente 3 km de comprimento (leste a oeste) e 900 m de diâmetro, ou seja, se você estiver no pique, pode percorrê-la inteira num passeio de um dia. Aliás essa é a primeira dica. Saia cedo e bem animado para ter tempo e energia para explorar tudo que a ilha oferece.

A ilha é bem sinalizada, assim pode-se caminhar com tranquilidade.
A ilha é bem sinalizada, assim pode-se caminhar com tranquilidade.

A viagem

Daí vem a segunda dica. A ilha tem um par de restaurantes e uma barraquinha que vende alimentos e bebidas, mas eu recomendo que na França, faça como os franceses. Compre seu lanche e sua bebida no continente, coloque na mochilinha e aproveite o melhor do pic-nic ao ar livre. Meu preferido é o ‘pan bagnat’. Essa delicinha é basicamente um sanduíche da tradicional salada Niçoise, ou seja, leva atum e ovo cozido. Compre em qualquer banquinha na beira da praia que deve dar tudo certo.

Pan bagnat, sanduba de salada Niçoise.

Chegar na ilha é simples. Você tem que ir até o cais de Cannes, procurar o guichê correspondente (ou mesmo por internet que é até mais barato) e comprar a sua passagem no barco que leva uns 15 minutinhos para chegar à ilha. No link você acha também os horários, mas cuidado que os horários dos barcos variam de acordo com a época do ano. Custa uns € 15 por pessoa.

Trans Côte d’Azur

O passeio de barco é maravilhoso.
O passeio de barco é maravilhoso.

Os primeiros habitantes

Dona de uma natureza exuberante que os franceses exploram cuidadosamente através de caminhadas e esportes aquáticos como esqui e parapente, a ilha atraiu muita gente a fim de problema, pois está posicionada estrategicamente na costa francesa. Por isso a ilha de Sainte-Marguerite  já era habitada durante a época dos romanos, quando era conhecida pelo nome Lero.

Esperando por quem está procurando problema.
Esperando por quem está procurando problema.
De olho nos arruaceiros!
De olho nos arruaceiros!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Além disso, como a ilha era um porto de apoio na rota comercial entre a Itália e a Espanha, piratas invadiram as ilhas em 1180, depois vieram os genoveses em 1400 e os espanhóis em 1524.

Por um segundo achei que os piratas haviam voltado. Ufa!
Por um segundo achei que os piratas haviam voltado. Ufa!

A ilha foi renomeada provavelmente nos tempos medievais por cruzados, que construíram por lá a capela de Sainte-Marguerite. Segundo a lenda, Sainte-Marguerite seria irmã de Saint-Honorat (que dá nome à ilha vizinha) e levou uma comunidade de freiras para esta ilha que assim recebeu o nome dela.

Beleza.
Beleza.
Muita beleza.
Muita beleza.

 

 

 

 

 

Em 1612, a propriedade da ilha passou dos monges de Saint-Honorat para o duque de Chevreuse. Pouco depois, iniciou-se a construção do Fort Royal.

Entrada do Fort Royal.
Entrada do Fort Royal.

A vila de Sainte-Marguerite

A ilha conta com uma mini vilinha que se desenvolveu durante o século 18, graças ao poder de compra dos soldados estacionados por lá. Hoje a vila de Sainte-Marguerite é composta por cerca de vinte edifícios. A maioria destes são o lar de pescadores, mas há também um pequeno estaleiro e um par de restaurantes. O hotel da ilha foi fechado no verão de 2005.

Sem palavras.
Há poucas áreas de praia com areia, mas dá para tomar um sozinho tranquilamente.

O Fort Royal

Durante a Guerra dos Trinta Anos, os espanhóis ocuparam a ilha de 1635 a 1637 e iniciaram a construção do Forte. Após os espanhóis serem derrotados, o exército francês completou a  fortificação da área. A prisão foi adicionada em 1637 e funcionou até o século 20. O Fort Royal foi considerado monumento histórico em 1927 e perdeu o seu valor militar em 1944, sendo adquirido pela cidade de Cannes em 1995.

DSC01921DSC01927

 

 

 

 

A fortaleza foi o lar de um número de prisioneiros famosos, o mais conhecido foi o  chamado Homem da Máscara de Ferro que morreu na Bastilha em 1703, pois o carcereiro encarregado dele tinha que levá-lo junto a cada transferência! Foi preso com o nome de Dauger e enterrado com o nome de Marchioly. Corria o boato que ele era um irmão ilegítimo do então rei Luiz XIV. O certo é que este prisioneiro ficou detido 34 anos, 16 dos quais no Fort Royal. Não tinha permissão para falar com ninguém e nem para tirar a máscara. Quando em público, era acompanhado de 2 guardas com instruções de matá-lo caso tentasse tirar a máscara. Depois da sua morte sua cela foi lixada e caiada e todos os seus pertences foram incinerados, incluindo a máscara de ferro (alguns dizem que era de veludo negro) que foi derretida. Eu, hein!

IMG_9037
Cela do homem da máscara de ferro.
IMG_9041
Privada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Obviamente os alemães não podiam ficar de fora desta e sua passagem pela ilha está registrada na presença de casa-matas e abrigos para canhões datando da Segunda Guerra.

Casa mata. Aqui os soldados se refugiavam em caso de invasão da ilha para esperar reforços.
Casa-mata. Aqui os soldados se refugiavam em caso de invasão da ilha para esperar reforços.
IMG_8961
Esta fornalha era usada para aquecer as bolas de canhões que atingindo os navios acabavam por incendiá-los.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2 cemitérios

Parece um pouco soturno, mas são pequenos e meio fora do caminho, se não estiver a fim, passe batido.

Um cemitério para os soldados franceses que morreram na ilha após o fim da Guerra da Criméia, pois foram levados à ilha por um período de convalescença.

DSC_0557

E ao lado dele, um cemitério para os soldados norte-africanos que tombaram ao lado dos aliados durante a Segunda Guerra Mundial.

Cada marcação é uma sepultura.
Cada marcação é uma sepultura.

O Museu do Mar

Visita que vale muito a pena. Instalado em uma antiga cisterna romana, o museu apresenta achados arqueológicos da região. São frutos de escavações na ilha e resgates do mar ao redor com itens recuperados de naufrágios romanos de 1 AC e naufrágios sarracenos do século 10. Os naufrágios são também interessantes para aprender como os antigos faziam o comércio e viviam.

Copos encontrados em naufrágio do fim no século 1 AC
Copos encontrados em naufrágio do fim no século 1 AC

A cisterna romana funcionava assim: a água era captada no teto de um templo, por exemplo, enchia estas salas e depois era distribuída pela cidade como vemos abaixo.

IMG_8971
Hoje o museu fica onde antes estava a água no esquema acima.

Outra especialidade dos romanos era a navegação. Evitavam navegar no Mediterrâneo no período que chamavam de ‘mare clausum’ devido às tempestades repentinas e aproveitavam de março a novembro para cruzar as rotas comerciais.

IMG_8985
O navio partia assim. Com várias ânforas no porão bem arrumadinhas.
IMG_8987
E depois do naufrágio terminavam assim.

 

 

 

 

 

 

 

Até a Revolução Industrial, o comércio percorria principalmente rotas marítimas,  pois o transporte por terra era muito caro e ineficiente. Em média, os barcos que cruzavam o Mediterrâneo levavam 100 toneladas de produtos. A viagem de Espanha a Roma durava cerca de 7 dias e passava pela ilha de Sainte-Marguerite. O comércio envolvia basicamente trigo, vinho e azeite.

Assim ficavam acomodadas as ânforas no porão do navio.
Assim ficavam acomodadas as ânforas no porão do navio.

O vinho era o que percorria mais rotas, pois a Grécia, Itália, França e Espanha trocavam seus produtos com frequência.

IMG_8991
Ânfora de vinho da Itália. Fim do século 1 AC.
IMG_8992
Ânfora de vinho da Grécia. Século 2 – 3 AC.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ânfora de vinho da França. Segunda metade do século 1 DC.
Ânfora de vinho da França. Segunda metade do século 1 DC.
Ânfora de vinho da Tunísia. Século 1 DC.
Ânfora de vinho da Tunísia. Século 1 DC.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ânfora de conserva do sul da Espanha. Século 3 DC. Repare no gargalo mais largo.
Ânfora de conserva do sul da Espanha. Século 3 DC. Repare no gargalo mais largo.

O dia foi mesmo incrível, mas acima de tudo, adorei ver a quantidade de jovens estudantes passeando pelas ruínas, brincando nos monumentos, respirando e vivendo a história de seu país. Há um pequeno albergue para que possam dormir na ilha. Muito legal mesmo.

Aqui fica o refeitório e o dormitório para os estudantes.
Aqui fica o refeitório e o dormitório para os estudantes.

Visite a ilha seja por sua beleza natural ou pela sua riqueza patrimonial, mas se você estiver no mesmo nível do bilionário indiano Vijay Mallya, compre um pedacinho de terra por lá para chamar de seu. Ele adquiriu em 2010 a propriedade conhecida como “Le Grand Jardin” ou “O Grande Jardim” e pagou entre € 37.000.000 e € 43.000.000. Repare na quantidade de zeros, não bastasse o valor estar euros….

DSC_0544
Vem passear com a gente, vem.

Não perca nosso próximo post sobre mais um bom passeio para fazer se visitar Cannes.

Um comentário sobre “A Ilha de Sainte-Marguerite. Romanos, piratas e o homem da máscara de ferro no meio de uma lição sobre ânforas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s