A Peixaria – Sacudindo o barco da mesmice de Moema.

Tivemos o prazer de jantar no A Peixaria.

Bem vindo!
Bem vindo!

Mesmo estando a quase 100 km da praia mais próxima, ao fechar os olhos você quase pode sentir a areia nos seus pés.

A casa toda exala um clima praiano descontraído e leve. A decoração lembra uma mescla de peixaria com restaurante caiçara. Limpo, simples, relaxante e acolhedor.

Fomos recebidos pela simpática e competente Marina que nos ajudou nas primeiras escolhas nesta casa que tem uma filosofia super diferente.

O A Peixaria achou que buscar peixe fresco no CEAGESP todos os dias não era suficiente para garantir um produto fresco então montou uma iniciativa pioneira: o Malha 14. Um projeto que consiste na pesca com rede no litoral sul de São Paulo. Tudo o que é pescado, é trazido para a capital e estará no A Peixaria na hora do almoço. Não, você ainda não poderá degustá-los neste momento. Só a peixaria que funciona junto com o restaurante abre para o almoço. O restaurante A Peixaria serve só jantar durante a semana. Entendeu? Mas de cara você vai entender que é tudo super fresquinho.

Direto dos pescadores.
Direto dos pescadores.
Peixe fresco todos os dias.
Peixe fresco todos os dias.

 

 

 

 

 

 

Começamos nossa refeição com o couvert de escabeche de peixe e pãozinho fresco feito na própria casa. Quentinho, fofinho, crocante por fora, uma delícia.

IMG_5166

Nossa entrada foram: ostras fresquíssimas, camarão no azeite e alho, lula e vieiras na manteiga de alho e mexilhões ao fantástico molho de vinho branco.

Lulas e escalopes.
Lulas e escalopes.
Mexilhões.
Mexilhões.
Camarões.
Camarões.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Até aqui, poucas surpresas. A não ser a execução: simples e saborosa. Todos os frutos do mar absolutamente frescos, cozidos no ponto exato e temperados com uma simplicidade arrebatadora.

Nossos pratos principais foram a marisqueira grelhada e a prejeba no sal. Assustei. Nunca nem ouvi falar destes peixes. Maravilhosos. Do litoral sul paulista. De novo uma execução cuja sofisticação reside em detalhes e não em molhos ou temperos pesados. O acompanhamento foi a sensacional pupunha com aspargos brancos e algas numa cama de purê de couve flor. Espetáculo surpreendente para encantar qualquer um e fazer a festa dos veganos.

Marisqueira.
Marisqueira.
Prejeba.
Prejeba.
Pupunha.
Pupunha.

Apesar de já termos comido demais, não resistimos provar a texturas de côco. Na verdade 5 tipos de preparo do côco: ralado e queimado, cocadinha, sorvete, espuma e biscoitinho crocante. Visualmente lembra uma praia, em boca remete ao paraíso.

IMG_5185 - Versa?o 2

 

 

 

 

 

 

 

Escolhemos uma taça de  chardonnay chileno para harmonizar com a refeição toda, sabe como é, tempos de lei seca. Delicado, mineral e com toques marcantes de abacaxi. Um Undurraga servido a copo e arrasou. Aliás imagina este vinho com a texturas de côco… Imaginou? E tem gente que diz que vinho branco seco não harmoniza com sobremesa. Tsc, tsc, tsc.

IMG_5179

 

 

 

 

 

 

 

Muito legal a experiência inteira, guiada pelas dicas da Marina.
IMG_5177

 

 

 

 

 

 

Ao chef Cauê só nos resta agradecer pelo empenho em criar uma experiência completa bem diferente do que se encontra em Moema e dar vazão a autêntica comida caiçara. Beterrabas, batatas, legumes, farinha d’água, peixes e maricos, tudo muito fresco e preparado para realçar esta característica. Uau! Um local para afirmar: #eucomocultura.

Conheça: Av. Canário 745.

http://www.apeixariarestaurante.com.br

E não perca o nosso próximo post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s