Hungria: um mergulho no tempo e na história – parte 1

A busca por Tokaj-Hegyalja, ou só Tokaj para os íntimos, se transforma numa viagem pelo tempo, pela história, numa aventura e finalmente numa paixão.

DSC01759

História
Budapeste é uma cidade imponente, elegante e fervilhante.
O centro histórico da cidade mostra na arquitetura a influência dos invasores estrangeiros que durante muitos séculos conturbaram a interessante história da Hungria.

DSC_0342 Hoje, vivendo um momento muito mais pacífico e livre do comunismo, a cidade resplandece com seus monumentos iluminados cheios de turistas de todo o mundo.

Budapeste à noite. Haja festa.
Budapeste à noite. Haja festa.

Estas ruas lotadas são pontuadas por bares e boates badaladíssimos, butiques de moda internacional, lojas de lembrancinhas, restaurantes que servem a distinta culinária típica húngara: temperada e apimentada com muita páprica, além de lojas de bebidas que vendem aguardentes de frutas, vinhos Tokaji e mais uma surpresa: vinhos secos tanto tintos quanto brancos de muito boa qualidade.

Adivinha o que os 3 pratos têm em comum? Isso mesmo. Páprica.
Adivinha o que os 3 pratos têm em comum? Isso mesmo. Páprica.

Reserve uns 2 ou 3 dias (e um par de sapatos muito confortáveis) para conhecer a cidade. Visite o parlamento, o mercado central um dos mais lindos da Europa, a Cidadela com seu mirador fantástico, o Bastião dos Pescadores, as termas com águas quentes e poderes curativos, a Igreja Matias onde acontecia a coroação dos reis húngaros, o Aquincum com uma representação da vida romana tão real que você vai achar que entrou num túnel do tempo. E lembre-se, 70% desta cidade foi bombardeada durante a 2ª guerra mundial…

O parlamento e a cidadela.
O parlamento e a cidadela.
Quarto, sala, cozinha e ...triclinium.
Aquincum: quarto, sala, cozinha e…triclinium.

 

 

 

 

 

 

Mas para conhecer o vinho realmente emblemático da Hungria, temos que nos afastar da Budapeste onde serpenteia o belíssimo Danúbio, o segundo maior rio da Europa em comprimento e seguir para o nordeste em direção à Ucrânia.

O belo Danúbio.
O belo Danúbio.

A pouco mais de 2 horas de viagem por modernas estradas bem conservadas se chega à pequena cidade de Tokaj. Isso se o seu GPS está bem regulado. O meu por exemplo me jogou ….. numa balsa. Mas juro, valeu a aventura.

As estradas são ótimas.
As estradas são ótimas.
Mas o GPS sugeriu esta!
Mas o GPS sugeriu esta!

O que originou tanta curiosidade? As lendas. Uma delas? Em 1703, o Príncipe Rákóczi da Transilvânia que casou com a herdeira de Tokaj necessitava de ajuda para sufocar uma insurgência de seus senhores feudais Habsburgos e para contar com o apoio da França, presenteou Luís XIV, o rei sol, com vinhos de Tokaj.

Olha o príncipe aí.
Olha o príncipe aí.

A adulação não funcionou, mas este que sempre foi um vinho lendário, cheio de folclore, cantado por poetas, exportado para Rússia e Polônia por ser a bebida da nobreza, dos czares e da realeza, foi proclamado     “o vinho dos reis e o rei dos vinhos” pelo famoso Luis.

Ouro líquido?
Ouro líquido?

Tokaj
Esta é mesmo uma aldeia pequena.
Depois que cheguei lá, dei de cara com uma mega festa de rua, com música ao vivo, um palco no centro da vila, barraquinhas de comida e artesanato. Fiquei até zonza de tanta emoção.

Tokaj em festa.
Tokaj em festa.

A época da vindima é assim, festas por todos lados, resquícios de tempos pagãos quando a colheita era uma dádiva tão importante que tinha que ser amplamente comemorada.
O único problema é que me distraí na festa e no que fui ao hotel deixar a mala (na verdade é mais uma casa de família com um quarto para alugar), a festa já havia acabado e estava tudo fechado. Afinal era domingo 20:30. Faz parte da aventura.
Há uma série de fatores que conspiram para esta região do planeta ser propícia para a produção deste vinho mesmo uns 200 anos antes de Sauternes.
Esta bela região de vasta vegetação continental, possui solo vulcânico, argiloso e possui uma grande quantidade de riolito uma substância que absorve humidade mas a libera gradualmente pela sua porosidade. O que é muito importante especialmente considerando-se a grande quantidade de rios que cortam esta zona.

A umidade do solo e o riolito.
A umidade do solo e o riolito.

As colinas Zemplén que fazem parte da cadeia de montanhas dos Cárpatos protegem a região do frio lá do norte, dos lados do Mar Báltico e vizinhança.
Os gélidos invernos húngaros matam a maioria dos fungos e insetos existentes na vinha. Um período de vegetação normalmente seco mantém baixa a quantidade de fungos, evitando os indesejados. Tudo isso guarda espaço apenas para a botritis.
A botritis ou a podridão nobre precisa de um outono longo e de temperaturas amenas.

As uvas sendo gradualmente atacadas pela botritis.
As uvas sendo gradualmente atacadas pela botritis.

As cascas das uvas se rompem com a chuva e são infectadas pela botritis de fora para dentro. Com o tempo, mesmo seco, os demais bagos também se contaminam. As uvas afetadas têm um nível de açúcar muito alto.

A magia da botritis.
A magia da botritis.

É fácil reconhecer as uvas botritizadas, pois elas são cinza, outros fungos têm outras cores e não servem.

É aqDSC01758ui que começa a magia do vinho Tokaji. Aliás, um esclarecimento: Tokaj é o nome da aldeia (Tokaj-Hegyalja), Tokaji é o nome do vinho e que dizer “de Tokaj”.

Não perca o próximo post e conheça tudo sobre como fazer e tomar este vinho fantástico.

Um comentário sobre “Hungria: um mergulho no tempo e na história – parte 1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s