Do que é que eu estou falando mesmo?

Estava pensando que neste sábado abri um Quinta do Perdigão 2009 fantástico e vi que no Vivino ele tem 3.3 estrelas. O QUE???

Em tempo, uso o Vivino mais para lembrar o que e quando bebi do que para qualquer outra coisa. Percepções olfato-gustativas dependem de memória. Experiência muito pessoal, não canso de dizer.

Enfim, emblemático do Dão, este vinho traz as castas Touriga Nacional, Tinta Roriz, Jaen e Alfrocheiro. Paraíso. Frutos escuros, mas com uma securinha tipo finzinho de noz na boca, madeira e uma pitadinha de pimenta do reino. Dá pra imaginar?

Traz a elegância do Dão mas com potência porque é simplesmente uma criança rebelde demais. Sim, na minha impaciência cometi este infanticídio…

Olha só a pinta.
Olha só a pinta.

E aí eu me pergunto, será que as pessoas conseguem entender um vinho assim? Por que uma nota tão baixa? Um vinho de uns 10 euros em Portugal e uns 200 reais aqui.  São preços de vinhos bons em ambos países. Então eu lembro da pergunta que fiz para um dono de restaurante em Portugal sobre um vinho de 1996: este vinho está bom? E ele: a senhora gosta de vinho maduro?

Meu sotaque denunciou o amor pelas frutas exuberantes, baixo teor de teor de taninos e de acidez? Peeeeeeeeem. Resposta errada. Adoro vinhos potentes, até velhotes com pose de crianças insolentes.

Abacaxi em calda, especiarias e notas de verniz e petróleo. 8 aninhos!
Abacaxi em calda, especiarias e notas de verniz e petróleo. 8 aninhos!

Aqui no Brasil é muito difícil cultivar o apreço pelos vinhos antigos. Não temos espaço para guardar sapatos em nossos apartamentos espremidos em grandes centros urbanos brasileiros com imóveis de preços extorsivos. Seja compra ou aluguel. Imagina espaço para comprar o lote de seu vinho preferido com a data de nascimento do seu filho? Para abrir quando ele fizer 18 anos. Oi? E onde eu enfio o moleque até lá? Não, este hábito europeu não é para a maioria dos brasileiros…

Vou fazer uma pausa aqui para pedir para você se abrir aos vinhos maduros, aos rebeldes, aos que requerem tempo (ou decantação, não esqueça que para o vinho cada lufada de ar é uma vida que lhe consome) aos que lhe pedem paciência e compreensão.

Você tira a cápsula e encontra este cenário. Pára ou continua?
Você tira a cápsula e encontra este cenário. Pára ou continua?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Você tenta tirar a rolha,... e bem... Não foi exatamente simples.
Você tenta tirar a rolha,… e bem… Não foi exatamente simples.
Vai encarar? 1983. 31 aninhos bem vividos.
Vai encarar? 1983. 31 aninhos bem vividos.

Liberte-se da rede de aromas e sabores primários, puras frutas e flores e disfrute o restante da roda de aromas que se escondem em um vinho maduro: o petróleo, o verniz, o vermute, frutos secos, palha e as frutas em calda.

O vinho depende bastante do álcool e do tanino para envelhecer com classe. Mas chegar equilibrado aos 30 e algo é para poucos. Tente com um vinho do Dão, você vai se surpreender. Até a semana que vem.

Casta? Que casta? Aqui manda a velha guarda...
Casta? Que casta? Aqui manda a velha guarda…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s