Vinho é terra, é gente, é história.

Para conhecer o significado das cooperativas vinícolas em Portugal, precisamos entender os tamanhos das propriedades agrícolas e a disponibilidade de mão de obra, ou seja, precisamos entender um pouquinho da bela história deste país.

Historicamente, quando se trata da questão da família portuguesa, se fala em dois grandes sistemas familiares, identificados um na região Norte e outro no Sul do país.

O Sul (lá pelo Alentejo) sempre apresentou as menores densidades demográficas do país e o pouco povoamento estave concentrado em torno das aldeias. Grandes latifúndios marcavam e ainda marcam a bela paisagem alentejana.

Vista de Monsaraz.
Vista de Monsaraz.

No Norte, ao contrário, desde o séc. XVI, encontrava-se a área de maior densidade demográfica de Portugal. Nessa região tipicamente montanhosa predominavam os minifúndios. A fim de evitar uma fragmentação ainda maior das propriedades, as famílias numerosas adotaram então o costume de deixar a terra para apenas um dos herdeiros que deveria dedicar-se a ela, enquanto os demais irmãos deveriam buscar casa e trabalho em outros locais. Esta característica perdurou por séculos, tanto que até 1979, de acordo com o Recenseamento Agricola do INE, mais de 56% das propriedades agrícolas no noroeste português não ultrapassavam 1 hectare.

Sim. São todos irmãs e irmãos da noiva!
Sim. São todos irmãs e irmãos da noiva!

A partir do séc XX, a vida familiar portuguesa passa por mudanças profundas causadas pela corrida das populações em direção aos centros urbanos e ao exterior. Aqueles mesmos que buscavam casa e trabalho fora de seu local de origem. A imigração foi especialmente intensa nas regiões Norte e Centro do país. Do Noroeste do país partiam mais de 30% dos portugueses que chegaram ao Brasil.

É razoável portanto supor que aos que ficaram para trabalhar a terra, onde se cultivava principalmente milho e uvas, restou muito pouca ajuda, pois os irmãos, cunhados e filhos (assim mesmo no masculino, pois era maior o número de homens que de mulheres que tentavam a sorte longe de casa) partiam para os grandes centros urbanos portugueses ou para a Suíça, França, Alemanha e claro, para o Brasil.IMG_4633

As cooerativas então foram surgindo e conquistando papel fundamental no apoio à pequena propriedade familiar sob aspectos distintos. E hoje a gente fala de uma delas, a UDACA – União das Adegas Cooperativas do Dão que existe há mais de 40 anos para dar suporte aos vitivinicultores da região do Dão. Além de apoio técnico e profissional, estas cooperativas têm função de desenvolvimento comercial dos produtos de seus cooperados dentro e fora de Portugal.

DSC07138

A boa colocação dos produtos em qualquer país passa pela qualidade e competitividade do mesmo e aí a UDACA tem 2 bons exemplos de vinhos de excelente relação custo / qualidade.

Irreverente 2011

foto 3

Um vinho tinto com uma rápida passagem em madeira (5 meses). Deixa claro no rótulo o objetivo de entregar um vinho para o público jovem que sabe admirar qualidade num vinho estruturado e equilibrado. Sabores e aromas de frutas negras e de bosque  com notas de cacao e especiarias. Só provando mesmo!

UDACA Touriga-Nacional 2008

foto 1

Um vinho tinto com passagem de 12 meses em barrica dão mais persistência e personalidade através de toques de especiarias aos aromas de violeta característicos da touriga. Sabores muito redondos de frutinhos silvestres. Delícia de vinho muito gastronômico.

Invulgar 2010

foto 4 foto 1a

Vinho tinto também com estágio de 12 meses, mas agora em carvalho fracês. O melhor exemplo de trabalho em equipe, já que é fruto da união de forças dos enólogos da UDACA com os das Adegas Cooperaticas Penalva do Castelo, Mangualde, Silgueiros e Vila Nova de Tázem.  Desta vez a touriga nacional combina com a alfrocheiro e revela um vinho encorpado, estruturado, mas aveludado traduzindo o melhor de uma das principais características do Dão: a elegância.  Este é absolutamente imperdível.

DSC07156 DSC07157

 

 

Se você estiver em Viseu, visite a UDACA que tem uma lojinha bem a abastecida bem ali pertinho do centro. Aqui no Brasil, ligue para a Importadora Orion que traz muitos dos bons produtos deles para cá.

Notas:

1) Ponho poucas notas de degustação porque esta é uma experiência muito pessoal, depende das suas memórias olfativas e degustativas. Não de uma tabelinha técnica. Disfrute e me conte.

2) Indico onde adquirir o produto porque acho frustrante quem elogia um monte e depois, cadê? Não ganho nada com isto.  Ao contrário, gasto com vinho, mas com prazer.

Um comentário sobre “Vinho é terra, é gente, é história.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s